• Ilustrada

    Wednesday, 10-Aug-2022 11:56:49 -03

    Presidente da Academia responde a críticas pela pouca diversidade do Oscar 2015

    DA AP

    17/01/2015 15h13

    Em resposta às críticas sobre a falta de diversidade entre os indicados ao Oscar 2015, Cheryl Boone Isaacs, presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, afirmou que a lista dos atores que concorrem ao prêmio -todos brancos- a inspira a trabalhar para que a entidade seja cada vez mais inclusiva.

    Ela também afirmou que espera que toda a indústria cinematográfica continue a se empenhar em favor da maior diversidade. Primeira mulher negra a presidir a Academia, Isaacs falou com exclusividade à Associated Press sobre as indicações ao Oscar e sobre as críticas que a lista recebeu.

    Todos os 20 concorrentes nas categorias de interpretação são brancos e não há nenhuma mulher disputando os prêmios de melhor direção e roteiro. A hashtag "#OscarsSoWhite" chegou aos trending topics no Twitter após a divulgação dos indicados, na manhã desta quinta-feira (15).

    Isaacs rebateu as críticas, afirmando que a Academia está comprometida em fomentar a diversidade de vozes e opiniões. "Nos últimos dois anos, demos passos maiores do que nunca rumo à diversidade, admitindo novos membros", afirmou. "Pessoalmente, eu adoraria ver e trabalho para que exista uma maior diversidade cultural entre os indicados, em todas as categorias."

    A presidente da Academia, no entanto, se recusou a falar se ela ou a entidade se sentiam constrangidas pela lista de concorrentes brancos. Ela explicou que cada jurado tem seus próprios critérios de excelência para escolher suas indicações entre os colegas, e que os votos são individuais e confidenciais.

    "Por exemplo, apenas diretores podem votar na categoria 'melhor diretor' e apenas atores podem indicar atores. Mas toda a Academia pode enviar sugestões para melhor filme. Não há uma única pessoa ou um grupo que se senta ao redor de uma mesa e aparece com as indicações", disse Isaacs.

    Com todos os elogios que "Selma", drama sobre a luta pelos direitos civis, recebeu, a ausência de indicações para a diretora Ava DuVernay e para o ator David Oyelowo gerou críticas. "É importante não perder de vista que 'Selma' é uma produção fantástica, foi indicado melhor filme neste ano, categoria que recebe votos de todos os 7.000 membros da Academia", afirmou.

    "É um prêmio que comprova o talento de todos envolvidos na produção de 'Selma'", completou.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022