• Ilustrada

    Tuesday, 25-Jun-2024 19:19:22 -03

    Restrita a poucos leitores, obra de Euclides Neto ganha nova edição

    CLAUDIO LEAL
    DE COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    21/03/2015 02h00

    No elenco de escritores nascidos na zona cacaueira da Bahia e inspirados pelos conflitos dessa região, reservou-se ao romancista Euclides Neto (1925-2000), por quase sete décadas, algum lugar entre o esquecimento e as tiragens modestas.

    Restrito a poucos leitores, manteve-se à margem da projeção de outros narradores "grapiúnas", como Jorge Amado, Adonias Filho, Jorge Medauar e Hélio Pólvora.

    O renascimento literário de Euclides dependeu do esforço de sua filha, Denise Teixeira, dedicada à organização das obras completas do pai.

    Os 13 títulos agora relançados pelas editoras Edufba e Littera ajudam a posicionar o autor na paisagem cultural brasileira e de seu próprio Estado, onde é mais conhecido pela trajetória política.

    Advogado de trabalhadores rurais e ex-militante comunista, Euclides foi prefeito da cidade de Ipiaú (BA), a 353 km de Salvador, entre 1963 e 1967. Numa pequena revolução, tornou-se um pioneiro da reforma agrária: desapropriou uma área de 167 hectares e assentou desempregados e indigentes na "Fazenda do Povo".

    Na década de 1980, assumiria a secretaria estadual de Reforma Agrária do governador Waldir Pires, posicionando-se como pré-candidato à sucessão baiana.

    Autor do livro "O Romance dos Excluídos – Terra e Política em Euclides Neto", Elieser Cesar avalia que o "malfadado realismo socialista" marcou suas obras iniciais, "Birimbau" (1946) e "Vida Morta" (1947). O romance social nordestino dos anos 1930, de José Américo de Almeida a Graciliano Ramos, seria uma influência duradoura.

    "A Euclides Neto não interessa mais a expansão e a consolidação da lavoura do cacau, com seu processo civilizatório e sua inexorável carga de violência, como observamos em 'Terras do Sem-Fim', de Jorge Amado, mas a sua decadência", diz Elieser, contista e mestre em letras pela Universidade Federal da Bahia.

    Divulgação
    O escritor baiano Euclides Neto na fazenda Diamantina, em Ipiaú (BA), em 1991
    O escritor baiano Euclides Neto na fazenda Diamantina, em Ipiaú (BA), em 1991

    EXCLUÍDOS

    O estudioso reconhece na obra dele uma "Tetralogia dos Excluídos" formada por "Os Magros" (1961), "O Patrão" (1978), "Machombongo" (1986) e "A Enxada e a Mulher que Venceu seu próprio Destino" (1996).

    Os contos do livro póstumo "O Tempo É Chegado" (2001) absorvem transtornos sociais do declínio econômico do cacau. "Na roça ainda encontravam uma tambora de aipim, uma jaca, frutas do mato. Na cidade era a fome parda e suja", descreve no conto "O Velho e os Três Meninos".

    Na fase final, Euclides costumava escrever no escritório de sua casa, em Ipiaú, acrescentando à disciplina literária as viagens a uma pequena fazenda de cabras, no semiárido, onde aprimorava os textos. Elogiado pelo filólogo Antônio Houaiss, o "Dicionareco das Roças de Cacau e Arredores" (1997) sedimentou sua pesquisa de linguagem.

    O escritor Hélio Pólvora vê no amigo uma "fusão encantatória" entre o linguajar da boca do sertão baiano e uma pitada de gramática.

    "Ele mistura bem o que é erudito e o que é popular. Em outras palavras, a fala do povo dito inculto e a expressão do intelectual de escrita correta. Inclina-se mais para a primeira, fazendo lembrar Guimarães Rosa", diz Pólvora, admirador de "Machombongo" –para ele, o romance mais "ambicioso" de Euclides.

    As obras completas reúnem ainda crônicas, relatos políticos e memorialísticos.

    Em 2013, a jornalista Lília de Souza lançou o perfil biográfico "Euclides Neto". Há uma nova biografia em andamento, coordenada pela filha.

    Com a reedição do conjunto de ficções, a família pretende ampliar o número de leitores e redimensionar Euclides na história literária. Assim, como registra o "Dicionareco", o autor enfim poderá "estanhar pelo mundo".

    COLEÇÃO EUCLIDES NETO

    AUTOR Euclides Neto

    EDITORA Edufba/ Littera

    QUANTO R$ 25 (cada volume) ou R$ 250 (coleção de 13 volumes)

    Leia trechos dos livros

    folha.com/no1605659

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024