• Ilustrada

    Sunday, 01-Aug-2021 16:23:52 -03

    Pequisa revela que 6 em 10 brasileiros preferem filmes dublados

    GUILHERME GENESTRETI
    DE SÃO PAULO

    09/08/2015 02h20

    O brasileiro prefere ouvir o berro de Adriana Esteves ao de Sandra Bullock. Quem foi ao cinema assistir à animação "Minions" tem mais chances de ter ouvido a vilã Scarlet Overkill na voz de Adriana.

    O filme dublado virou preferência nacional: 59% do público total de cinema no ano passado viu obras nesse formato ante 28% que assistiu a cópias legendadas e uma fatia de 13% que ficou com longas nacionais. É o que aponta levantamento inédito feito pelo Filme B, portal que monitora dados do cinema no Brasil.

    As versões dubladas também respondem por 57% da renda total das bilheterias no país; as legendadas assumem 32%, e as nacionais, 11%.

    Alguns dados esparsos já apontavam a tendência ""em 2013, por exemplo, 65% das cópias de "Jogos Vorazes: Em Chamas" no país eram dubladas; no ano anterior, uma pesquisa feita pelo Datafolha a pedido do Sindicato das Distribuidoras do Rio já apontava que 56% dos brasileiros preferiam filmes estrangeiros com sotaque nacional.

    Editoria de Arte/Folhapress

    Mas até então nenhum levantamento de que se tem notícia havia apurado o tamanho dessa preferência no total do público e de renda no cinema.

    "As distribuidoras cinematográficas já tinham essa noção, mas guardavam a informação como segredo de negócios", diz Paulo Sergio Almeida, diretor do Filme B.

    Apenas 23% de 5,7 milhões de espectadores ouviram a voz de Angelina Jolie sair de sua famosa boca em "Malévola", segunda maior bilheteria de 2014 (atrás apenas de "A Culpa É das Estrelas": 6,1 milhões de público total e 63% das cópias dubladas).

    Há 20 anos, salvo em infantis, a dublagem era exceção no circuito. Até porque pesava mais no orçamento: precisava-se de duas cópias em película do mesmo longa, problema inexistente no formato digital.

    Almeida aponta três fatores que estariam por trás disso. O primeiro é a incorporação de audiência das classes C e D.

    Fato: o grosso do público vai ao cinema em megacomplexos –geralmente em shoppings, que têm pipocado significativamente no interior e em periferias das metrópoles.

    Manaus e Cuiabá são as capitais mais adeptas do sotaque brasileiro: 70% e 69%, respectivamente. Já Brasília e Porto Alegre, as menos: 36% e 42%. Em São Paulo, o percentual é de 51%; no Rio, 44%.

    Um segundo fator é o 3D: cada vez mais comum nos blockbusters, o formato dificulta a leitura das legendas. "A edição dos filmes também ficou mais rápida nos últimos anos", diz Almeida. "Fica difícil ler a legenda porque ela passa muito depressa."

    O último fator é a TV aberta. Ela moldou de tal forma o consumo que forçou a TV paga a aderir ao filme dublado e trouxe reflexos no cinema. "Criou uma geração fissurada no dublado", diz Almeida.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021