• Ilustrada

    Sunday, 21-Apr-2024 18:15:57 -03

    CRÍTICA

    'Rei da Comédia' lembra que há beleza no fracasso nascido do risco

    RICARDO CALIL
    CRÍTICO DA FOLHA

    03/11/2015 02h37

    Com o perdão do clichê, Martin Scorsese e Robert De Niro mexeram no time que estava ganhando quando fizeram "O Rei da Comédia", em 1982.

    Eles já haviam sido parceiros em "Taxi Driver" (1976) e "Touro Indomável" (1980), que, sozinhos, garantiriam seu lugar na história do cinema. Mas decidiram se arriscar em uma comédia de humor negro –e, aos olhos da época, fracassaram.

    Esses três filmes de Scorsese têm mais em comum do que parece à primeira vista. Neles, De Niro faz um protagonista à beira da psicopatia, que fica obcecado por um segundo personagem.

    Só que em "O Rei da Comédia" eles fazem opções discutíveis. Como escalar De Niro para o papel cômico e Jerry Lewis para o dramático –e, em ambos os casos, construí-los de forma a não gerar empatia no público.

    De Niro é Rupert Pupkin, candidato a comediante de stand-up que persegue obsessivamente o famoso apresentador de TV Jerry Langford, personagem de Lewis.

    Frustrado com o desinteresse de Langford, Pupkin decide sequestrá-lo e pedir como resgate a chance de aparecer no programa do apresentador.

    VISIONÁRIA

    Revisto 33 anos depois do lançamento –em cópia restaurada pela Film Foundation, criada por Scorsese–, "O Rei da Comédia" se revela uma obra visionária sobre os extremos do culto à celebridade, um antecipador do vale-tudo da TV atual.

    Mas o filme continua apresentando as limitações observadas em 1982. Sua trama é estranhamente truncada para um filme de Scorsese, mestre da fluidez narrativa.

    E é mais difícil criar alguma conexão com o bizarro De Niro humorístico de "O Rei da Comédia" do que com os agressivos, porém carismáticos, De Niros de "Taxi Driver" e "Touro Indomável".

    Por outro lado, essa antipatia do protagonista dá a "O Rei da Comédia" um caráter único: uma obra de humor que incomoda, em vez de fazer rir. E nos lembra que há uma beleza específica nos fracassos que nascem não do conforto, mas do risco.

    O REI DA COMÉDIA
    QUANDO: MOSTRA TER. (3), 15H20
    ONDE: ESPAÇO ITAÚ - FREI CANECA 1
    CLASSIFICAÇÃO: 12 ANOS
    ELENCO: ROBERT DE NIRO, DIAHNNE ABBOTT, SANDRA BERNHARD, ED HERLIHY
    PRODUÇÃO: EUA, 1982
    DIREÇÃO: MARTIN SCORSESE

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024