• Ilustrada

    Saturday, 17-Apr-2021 14:37:44 -03

    CRÍTICA

    Especial de Natal da Netflix se escora em carisma de Bill Murray

    JULIANA CUNHA
    EDITORA-ASSISTENTE DA "ILUSTRADA"

    04/12/2015 12h54

    Com especial de Natal feito por Bill Murray e Sofia Coppola, a Netflix parece um pouco mais com a TV.

    "A Very Murray Christmas", que estreia nesta sexta-feira (4), segue fórmula dos especiais natalinos produzidos para a televisão, com enredo sobre um Natal que fracassa e um solitário que entra em contato com a essência humana na noite do dia 25, tudo isso com aparições seriadas de celebridades (Miley Cyrus, George Clooney, Jesse Eisenberg, Amy Poehler, Maya Rudolph, Paul Schaffer, Jason Schwartzman, Chris Rock, Jenny Lewis e os integrantes da banda Phoenix, entre outros) e músicas natalinas —usadas de modo irônico, o que já ficou mais batido do que o uso tradicional.

    A escalação dos participantes foi feita na base da amizade: segundo Coppola, eles apenas chamaram os fãs e amigos de Murray que estavam disponíveis nos dias da gravação.

    No filme, Bill Murray vai transmitir um especial de Natal ao vivo do hotel Carlyle, em Nova York. Era para ser um grande evento, com o papa Francisco e Paul McCartney na primeira fila, mas uma nevasca que bloqueia trens e ruas da cidade garante que a noite seja um fiasco. As produtoras de Murray o abandonam e ele decide fazer o especial por si mesmo, chamando quem cruza os corredores vazios do hotel para participar.

    A atmosfera do longa (longuinha, são 56 minutos) replica um pouco do clima de "Lost in Translation" (2003), primeira parceria entre o ator e a diretora. A ambientação num hotel, a cena das luzes da cidade (aqui, Nova York; em 2003, Tóquio) vistas de um quarto; o momento em que Murray e Rashida Jones sentam lado a lado num saguão, remetendo à cena em que Scarlett Johansson e Murray descansavam em um karaokê. Tudo isso é posto numa chave de autoparódia. Quando Murray decide dar conselhos de vida e casamento para Jones, por exemplo, não temos aquela cena comovente de "Lost in Translation" sobre amor e passagem do tempo. Aqui a moça apenas diz: "prefiro não ouvir isso".

    Filmado em menos de uma semana, o roteiro —escrito por Murray, Coppola e Mitch Glazer— é um pouco decepcionante e se escora unicamente nas celebridades e no carisma do ator. Algumas piadas são boas, mas o produto final não passa de um filminho curto para ser usado como pano de fundo numa festa de Natal.

    Especial natalino da Netflix

    A VERY MURRAY CHRISTMAS
    DIREÇÃO Sofia Coppola
    ELENCO Bill Murray, Rashida Jones, Jason Schwartzman
    PRODUÇÃO Estados Unidos, 2015, Livre
    QUANDO Estreia nesta sexta-feira (4)

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021