• Ilustrada

    Monday, 20-Jan-2020 23:10:50 -03

    Flip

    'Não me interessa o leitor', diz Bernardo Carvalho em mesa na Flip

    RODOLFO VIANA
    ENVIADO ESPECIAL A PARATY (RJ)

    02/07/2016 18h58

    Keiny Andrade/Folhapress
    Paraty, RJ, 01.07.2016 - FLIP 2016 ILUSTRADA - CASA FOLHA - " Literatura Hoje: por que, para que e para quem? " Benjamin Moser (de terno), Bernardo Carvalho e Alcino Leite (camisa clara). FOTO: Keiny Andrade/Folhapress
    Alcino Leite, Benjamin Moser e Bernardo Carvalho participam de mesa na Flip, neste sábado (2)

    O problema do mercado literário é que a demanda –o que os leitores querem– contamina a produção –o que se publica. Isso prejudica a qualidade da literatura, afirmou o escritor e colunista da Folha Bernardo Carvalho no fim da tarde de sábado (2), na Casa Folha, durante a programação da 14ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty).

    Carvalho dividiu com Benjamin Moser, pesquisador e biógrafo de Clarice Lispector, a mesa "Literatura hoje: por quê, para quê e para quem?". E o "para quem" foi respondido em alto e bom som pelo autor de "Reprodução" (Companhia das Letras): "Não me interessa se o leitor lê ou não lê; eu quero que se foda. O que eu quero é fazer minha literatura", afirmou.

    Moser, que lança possivelmente em 2017 a biografia da escritora Susan Sontag, foi mais comedido. Ele disse acreditar que "é uma responsabilidade nossa –escritores, jornalistas, professores– chegar às pessoas, levar a elas uma 'literatura difícil'".

    O importante para o biógrafo é "não achar que as pessoas são burras", postura que considera comum entre pessoas de cultura.

    Carvalho discorda: "Você [Moser] diz que 'o público não é burro', que 'a gente não pode partir desse pressuposto'. Claro que pode! O Brasil é um país de analfabeto e um país onde se passa fome: então não escreva livros; plante tomate".

    Ele acredita que o escritor não deve se deixar pautar pela demanda. Além disso, acredita que o consumo do que ele chama de "alta literatura" ficou restrito ao grupo que já a consumia antes da explosão dos best-sellers.

    "O Paulo Coelho não está tirando o mercado de ninguém que produz boa literatura", disse Carvalho. "O problema do que eu chamo de alta literatura é que ela não atende a uma demanda, ao que o mercado pede."

    Do lado de fora da casa, um grupo de cerca de 100 pessoas protestou contra condomínios de luxo em Paraty e o presidente interino, Michel Temer. Foram ditas palavras de ordem contra a imprensa, especificamente a Folha e a Rede Globo.

    Edição impressa
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020