• Ilustrada

    Sunday, 16-Jun-2019 10:18:27 -03

    Netflix passa número de usuários de TV a cabo nos EUA, diz pesquisa

    DE SÃO PAULO

    20/06/2017 12h36 - Atualizado às 00h27
    Erramos: esse conteúdo foi alterado

    Pascal Le Segretain/Getty Images
    Tudo que a Netflix sabe sobre você (e por que quer saber tanto) --- A Netflix utiliza todo o tempo dados produzidos pela navegação dos clientes
    Em crescimento ao longo dos anos, número de assinantes da Netflix superou a TV a cabo nos EUA

    O número de usuários da Netflix superou os assinantes TV a cabo nos Estados Unidos, informou a pesquisa realizada pelo Leichtman Research Group na segunda-feira (19).

    A TV a cabo tem perdido usuários desde 2012 e chegou ao primeiro quarto deste ano com 48,61 milhões, ao passo que os assinantes da Netflix atingiram os 50,9 milhões de usuários.

    Em cinco anos, os provedores de TV por assinatura perderam 4 milhões de assinantes enquanto a Netflix ganhou 27 milhões, o que representa mais de 100% do número de usuários do canal sob demanda em 2012.

    Para atrair assinantes, a Netflix aposta em produções originais, como as séries "Narcos", "House of Cards" e "Orange Is the New Black". Em uma entrevista à rede de TV CNBC, o CEO da empresa, Reed Hastings, informou que planeja gastar só neste ano, com conteúdo original, US$ 6 bilhões, ou o equivalente a R$ 19,7 bilhões.

    Um estudo divulgado pela empresa Digital TV Research no início de junho trata justamente da expansão da base de clientes da Netflix. A previsão é que em 2018 o número de assinantes ao redor do mundo supere o de clientes nos Estados Unidos.

    TV A CABO X TV POR ASSINATURA

    A Netflix passou o número de usuários de TV a cabo, mas não o total de usuários de TV por assinatura, que inclui, nos Estados Unidos, TV por satélite e soma aproximadamente 95 milhões de assinantes.

    IMPACTOS NA TELEVISÃO

    Em abril, os roteiristas de Hollywood quase entraram em greve. Uma das reclamações provinha da revolução da indústria televisiva desde a chegada de serviços de streaming, como a Netflix e a Amazon, e a diminuição no número médio de episódios de uma temporada de comédia ou drama roteirizados —de 22 para cerca de 10, fato que causou menor demanda para roteiristas.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019