• Ilustrada

    Sunday, 25-Oct-2020 10:39:21 -03

    CRÍTICA

    Shirley Jackson lança romance de terror com humor venenoso

    ALVARO COSTA E SILVA
    COLUNISTA DA FOLHA

    05/08/2017 02h05

    SEMPRE VIVEMOS NO CASTELO (muito bom)
    AUTORA Shirley Jackson
    TRADUÇÃO Débora Landsberg
    QUANTO R$ 39,90 (200 págs.)

    *

    Shirley Jackson já é craque nas primeiras linhas. Seu romance recém-lançado "Sempre Vivemos no Castelo" começa assim:

    "Meu nome é Mary Katherine Blackwood. Tenho dezoito anos e moro com a minha irmã Constance. Volta e meia penso que, se tivesse sorte, teria nascido lobisomem, porque os dois dedos médios das minhas mãos são do mesmo tamanho, mas tenho de me contentar com o que tenho. Não gosto de tomar banho, nem de cachorros nem de barulho".

    O parágrafo inicial de "The Haunting of Hill House" ("A Assombração da Casa da Colina" na edição da Francisco Alves de 1983, hoje uma raridade de alto preço nos sebos) é reconhecido como um dos mais intrigantes começos da moderna ficção americana:

    "Nenhum organismo vivo pode existir com sanidade por longo tempo em condições de realidade absoluta; até as cotovias e os gafanhotos, pelo que alguns dizem, sonham. Hill House, insalubre, permanecia solitária em meio às montanhas, guardando em si a escuridão. Permanecera assim por 80 anos e poderia continuar dessa forma por mais 80. (...) O silêncio permanecia inalterável contra a pedra e a madeira de Hill House, e o que por lá andasse, andava sozinho".

    Stephen King –um dos muitos admiradores da autora, ao lado de Donna Tartt, Neil Gaiman, Richard Matheson, Joyce Carol Oates– considera a descrição acima "o tipo de epifania que todo escritor almeja: palavras que de alguma forma transcendem a palavra".

    Divulgação
    A escritora americana Shirley Jackson, em foto de 1951
    A escritora americana Shirley Jackson, em foto de 1951

    "Shirley... quem?", você está se perguntando. De óculos estilo gatinho, gordinha e rosto assustado na maioria dos fotos, Shirley Hardie Jackson (1916-1965) parecia a vizinha da frente.

    Mas era uma talentosa escritora, que gozou de certa popularidade em vida, publicou um conto que enfureceu leitores e, ao morrer, entrou no limbo.

    Aos poucos, recuperou o prestígio, a ponto de ter, em 2010, sua obra incluída no catálogo da Library of America.

    Na década de 1940, enquanto cuidava de quatro filhos, Shirley escrevia divertidas histórias sobre a vida doméstica, que faziam a delícia das assinantes da "Mademoiselle", "Good Housekeeping" e "Woman's Day".

    Foi nessa época que teve um estalo, na fila do caixa, na hora de pagar as compras, e o conto "The Lottery" lhe veio todo à cabeça.

    Publicado em 1948 na revista "The New Yorker", o relato provocou centenas de cancelamentos de assinatura da publicação e milhares de cartas indignadas.

    "A Loteria" –existe uma versão em português na "N.T - Revista Literária em Tradução", por Ana Resende– narra um ritual macabro. É bom parar por aqui, para não estragar a surpresa de quem ainda não leu.

    Apesar da repercussão negativa, com o tempo a história foi adaptada para rádio, teatro, televisão, coreografada para balé e virou figurinha fácil em antologias.

    Sobretudo mudou a vida da autora, que, a partir de então, à J. D. Salinger, recusou-se a dar entrevistas e ficou rotulada como a rainha do terror. Um terror, digamos, doméstico.

    Ao lado de "A Assombração da Casa da Colina" (1959) –que inspirou um filme de Robert Wise, estrelando Claire Bloom–, "Sempre Vivemos no Castelo" (1962) é a obra mais famosa da autora.

    Também é a última que publicou (e vem aí uma adaptação para o cinema, com produção de Michael Douglas). O livro está mais para o claustrofóbico do que para o gótico. Com doses de humor negro e venenoso.

    Numa pequena cidade da Nova Inglaterra, as irmãs Blackwood vivem na antiga casa da família, quase sem contato com outras pessoas.

    Por companhia, as irmãs têm o gato Jonas e um velho tio gagá, Julian, que passa os dias escrevendo e reescrevendo a história do clã, como se fosse um personagem de Faulkner.

    Mas quem narra de verdade é Merricar, a caçula, e em torno da sua voz econômica e agressiva se estabelece o clima opressivo do romance.

    Sabe-se que Constance, a mais velha, foi acusada de um crime hediondo, e é por isso que elas vivem isoladas, "na lua", condenadas à rotina de cozinhar e comer, prisioneiras nas ruínas do próprio castelo.

    Em seu realismo irreal, Shirley Jackson, com estilo que lembra Flannery O'Connor e as bizarrices de David Lynch, consegue que personagens tão estranhas surjam simpáticas aos olhos do leitor. Mas é tudo aparência e, por trás de tudo, existe uma face chocante.

    BONEQUINHO DE VODU

    Sempre Vivemos no Castelo
    Shirley Jackson
    l
    Comprar

    Incompreendida em seu tempo, a escritora foi acusada de ser uma bruxa. Diziam que fizera um boneco de vodu do editor Alfred Knopf para fincar-lhe alfinetes.

    Ela não desmentia os rumores, lia cartas de tarô, citava obras de magia negra e seus 11 gatos tinham nomes de demônios.

    Alcoólatra e viciada em anfetaminas, Shirley Jackson morreu aos 49 anos, de ataque no coração.

    Sofria de obesidade mórbida, depressão, ansiedade e agorafobia. Nos últimos meses de vida, era incapaz de deixar o quarto: quase igual a suas personagens em "Sempre Vivemos no Castelo".

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020