• Ilustríssima

    Sunday, 25-Oct-2020 11:29:41 -03

    O dia Z de Zuca Sardan e outras quatro indicações culturais

    29/11/2015 02h02

    DIA Z | ZUCA SARDAN
    As editoras Cosac Naify (que lançou "Ximerix") e e-galáxia (que tem em seu catálogo "Milorde e Medusa") se uniram para organizar o Dia Z, em homenagem ao arquiteto (de formação), diplomata (de carreira), desenhista e poeta (por vocação) Zuca Sardan (Rio, 1933). A data, quarta, 2/12, não evoca efemérides: o 2 é um Z, letra que se repete no nome do mês. No dia "2 de dezzzembro", então, como diria o irreverente homenageado, apreciador das brincadeiras fonéticas e das grafias particulares, as editoras publicarão em suas redes sociais materiais inéditos e fora de catálogo do autor, depoimentos e textos crítico sobre sua obra, além de leitura de trechos seus, como a que o poeta Victor Heringer fez e que pode ser vista abaixo. Leia as respostas que Zuca deu, por e-mail, a três perguntas da "Ilustríssima". (Francesca Angiolillo)

    Divulgação
    "Tarox" de Zuca Sardan
    "Tarox" de Zuca Sardan

    Antecipando-se ao que fariam os poetas marginais, você se autopublicou em panfletos, mimeógrafo, xerox, etc. Mas também teve sua obra em grandes editoras. É importante para o poeta a edição comercial?
    É importante. Senâo ninguém acredita que você é poeta de verdade. Até você acaba desconfiando ser um vâo borboletáceo que cismou que é poeta. Passei décadas e décadas borboletando sem qualquer alternativa. Os poetas marginais, Chico, Cacaso, Chacal e tantos outros, com alegria e maravilhosa fraternidade juvenil, recolheram o náufrago madurote na Jangada da Medusa... No caso, charmosíssima e alerta Medusa, Heloísa Buarque de Hollanda, com a publica§âo da explosiva antologia que ela aprontou contra tudo e contra todos, "26 Poetas Hoje" (RJ, 1976), que teve fulminante e inesperado sucesso, para a indignada irrita§âo dos leitores distintos e dos críticos bem-pensantes: foi o Banquete dos Mendigos e o lan§amento, no mundo oficial das editoras comerciais, da Poesia Marginal...

    Recentemente, você lançou, com Alice Sant'Anna, "Vinhetas", pela independente Luna Parque. Essa jovem geração o admira e, ao mesmo tempo, o vê como um colega. Como é seu diálogo com eles?
    Mantenho com a nova gera§âo um fraternal diálogo. Como sâo jovens e conversamos em boa amizade, eu me sinto de novo jovem! E m'escapo do perigo de me embestar ou virar busto... se a Glória faz bico-doce... Dona Corbélia pode esperar... A Vida... Recome§a!!! e, enquanto dure, mesmo encarquilhado, penso que sou de novo rapaz.

    Ao criar, quem primeiro grita, o Zuca poeta ou o Zuca desenhista?
    Algumas vezes grita primeiro o Poeta, e outras o Desenhista. O Zuca Poeta tem um lado de poesia visual. Assim, muito proximamente lan§arei em Sâo Paulo o livro de visual "Zaz-Traz", pela editora Loplop; e quase simultaneamente, aparecerá meu livrim "Brabuletas", também de poesia visual, pela nova Zazie Editora, de Laura Erber. Recentemente, lancei, de poesia narrativa, "Xorok Kopox", sobre o drama do Rei Naska, aprisionado no porâo de seu Castelo Mapicho, no Peru, pelo Vento Norte Cartonero, em Sta. Maria (RS) com personagens de vivas cores, em cenários de palácios e beiras de precipícios... e o Zuca Desenhista é muito poético...e evocativo, o desenho quer sugerir o que NÄO aparece no tra§o gráfico, procura lan§ar, no mental do contemplador uma xarada... com xiz (tenho algumas obcessôes ortographicas).

    Vídeo

    TEATRO | VENDO GRITOS E PALAVRAS
    Neste solo, Denise Stoklos encena textos baseados em trechos de obras do argentino Julio Cortázar (1914-84). O espetáculo foi concebido, dirigido e tem atuação da atriz, que já apresentou suas peças em sete línguas.
    Sesc Consolação | tel. (11) 3234-3000 | sex. e sáb., às 21h; dom., às 18h | R$ 40 | até 13/12

    *

    EXPOSIÇÃO | SIDNEY AMARAL
    Na individual "Identidade", sob curadoria de Rodrigo Villela, o artista (São Paulo, 1973) apresenta pinturas inspiradas em fotografias que retratam o cotidiano de grandes cidades brasileiras e suas desigualdades sociais.
    Central Galeria de Arte | tel. (11) 2645-4480 | de seg. a sex., das 10h às 19h; sáb., das 10h às 17h | grátis | até 5/12

    Josimar Valério/Divulgação
    Guache sobre papel de algodão sem título de 2015
    Guache sobre papel de algodão sem título de 2015

    DICIONÁRIO | PROUST
    Michel Erman, professor de linguística da Universidade da Borgonha, reúne em verbetes personagens e locais da monumental obra de Proust. O "Dicionário de Nomes e Lugares" indica ainda quando tais referências são reais ou fictícias, ajudando o leitor em sua viagem através das 3.000 páginas que compõem os sete volumes.
    trad. Carla Cavalcanti e Silva | Biblioteca Azul | R$ 44,90 (189 págs.)

    *

    QUADRINHOS | UMA VIDA CHINESA
    A autobiografia escrita em forma de novela gráfica pelo chinês nascido em 1955 narra a trajetória de um jovem pró-Mao que vive as mudanças da China desde a Revolução à sua abertura ao exterior. Li Kunwu coescreveu sua história com o francês Philippe Ôtié.
    trad. Andréa Stahel Monteiro da Silva | WMF Martins Fontes | R$ 44,90 (256 págs.)

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020