• Mercado

    Monday, 22-Jul-2024 12:05:50 -03

    Defesa de dona da Daslu já pediu habeas corpus e reconsideração de sentença

    YGOR SALLES
    da Folha Online

    26/03/2009 18h26

    A advogada Joyce Roysen, que representa Eliana Tranchesi, dona da Daslu, informou que já entrou com pedido de habeas corpus no TRF (Tribunal Regional Federal) para a revogação da prisão preventiva da empresária, condenada a 94,5 anos de prisão por crimes financeiros.

    Além disso, Roysen pediu também uma reconsideração da sentença para a juíza Maria Isabel do Prado, da 2ª Vara da Justiça Federal, em Guarulhos (Grande SP). Desde que foi presa, a empresária está em uma penitenciária feminina na zona norte de São Paulo, ao lado do antigo complexo do Carandiru.

    Relatório médico aponta agravamento da doença de Tranchesi
    Em bilhete, Tranchesi diz que sua vida foi 'revirada'; leia íntegra
    Entenda o caso de fraude e sonegação na Daslu
    Dona da Daslu herdou loja da mãe e gastou R$ 200 mi com templo de luxo

    O pedido de habeas corpus é analisado pelo desembargador Luis Stefanini. "Se não for concedido, o que acho improvável, iremos ao STJ [Superior Tribuna de Justiça] ou até o STF [Supremo Tribuna Federal]", disse Roysen em entrevista coletiva dada na tarde desta quinta-feira.

    Segundo ela, a prisão realizada hoje é "injusta, ilegal e desumana". Para a advogada, é injusta porque pessoas que cometeram crimes muito mais violentos tiveram penas menores --ela citou, por exemplo, Suzane von Richthofen (matou os pais) e Champinha (matou a jovem Liana Friendebach), que pegaram, respectivamente, 39 e 47 anos de prisão.

    Já a ilegalidade seria por tratar-se de uma sentença provisória, da qual ainda cabe recurso, e desumana devido ao fato de Tranchesi estar sob tratamento quimioterápico devido a um câncer de pulmão.

    Sobre isso, ela confirmou que junto ao pedido de habeas corpus foi entregue laudo médico que aponta que a empresária já sofre com a metástase do câncer pulmonar e que demanda "cuidados médicos diários".

    Sobre a sentença proferida, Roysen afirmou ainda que houve uma "análise tendenciosa" e que uma "pena justa" em caso de condenação definitiva pelos crimes citados (formação de quadrilha, falsidade ideológica e descaminho) não passaria de quatro anos.

    Ao explicar a "possibilidade" da Daslu ter cometido novamente o crimes de descaminho (importação irregular com sonegação fiscal) denunciados na primeira fase da operação Narciso (através do aeroporto de Cumbica, em São Paulo), a advogado afirmou tratar-se de "um caso totalmente diferente".

    O Ministério Público Federal e a juíza destacaram que mesmo após a denúncia, a Daslu continuou a importar ilegalmente pelo porto de Itajaí, em Santa Catarina.

    Segundo a advogada, neste segundo caso, a Daslu contratou uma nova "trading", a Columbia, com a qual já importou R$ 78 milhões desde 2007. "Nessas importações a Daslu pagou R$ 58 milhões em impostos", disse a advogada.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024