• Mercado

    Thursday, 27-Jan-2022 02:51:06 -03

    Perdigão e Sadia assinam acordo de fusão

    da Folha Online

    19/05/2009 02h34

    Os presidentes-executivos e representantes dos acionistas da Sadia e da Perdigão assinaram na noite desta segunda-feira o contrato de fusão das duas empresas, criando a gigante da indústria alimentícia Brasil Foods (BRF), informa reportagem de Cristiane Barbieri, publicada na Folha desta terça-feira (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal). As empresas convocaram entrevista coletiva ás 10h30, em São Paulo, para fazer o anúncio.

    Perdigão e Sadia fizeram pelo menos cinco tentativas de fusão
    Aos 75 anos, Perdigão está presente em 12 países além do Brasil
    Sadia nasceu com a aquisição de frigorífico em Santa Catarina
    Negócio dá amparo para que marca Sadia sobreviva, diz especialista
    Fusão será um dos maiores desafios para os órgãos de defesa da concorrência

    A nova empresa nasce com os apostos de décima maior empresa de alimentos das Américas, segunda maior indústria alimentícia do Brasil (atrás apenas do frigorífico JBS Friboi), maior produtora e exportadora mundial de carnes processadas e terceira maior exportadora brasileira (atrás de Petrobras e da mineradora Vale).

    Joel Silva/Folha Imagem
    Presidente da Perdigão, Nildemar Secches (à esq.), e Luiz Fernando Furlan, da Sadia, tomam vinho no restaurante Varanda, na zona sul
    Presidente da Perdigão, Nildemar Secches (à esq.), e Luiz Fernando Furlan, da Sadia, tomam vinho no restaurante Varanda, na zona sul

    Com 119 mil funcionários, 42 fábricas e mais de R$ 10 bilhões em exportações por ano, a gigante surge com um faturamento anual líquido de R$ 22 bilhões.

    A fusão foi concretizada depois de meses de negociações. A elaboração final do contrato, informa a reportagem, foi marcada por muitas idas e vindas entre advogados e executivos de bancos de investimentos envolvidos no acordo.

    As discordâncias eram com relação ao valor patrimonial do banco Concórdia, que pertence à Sadia. Desde o início, estava decidido que a área financeira do grupo ficaria fora da BRF. A avaliação de seu valor para baixo, no entanto, significou milhões de reais a menos em ações, para os acionistas da Sadia.

    Nesta terça, os presidentes dos conselhos da Sadia, Luiz Fernando Furlan, e da Perdigão, Nildemar Secches --que na segunda jantavam em um restaurante em São Paulo enquanto o contrato era assinado--, anunciam o negócio oficialmente e esclarecem dúvidas de analistas de mercado e jornalistas.

    Também nesta terça, a fusão deve ser comunicada à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) --órgão fiscalizador do mercado acionário--, que deve analisar se a operação foi realizada de acordo com a regulamentação.

    O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão de defesa da concorrência, também precisa aprovar o negócio. Até lá, a estrutura das companhias continua funcionando de maneira independente.

    Arte Folha

    Leia a notícia completa na Folha desta terça, que já está nas bancas.

    Assine a Folha

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022