• Mercado

    Wednesday, 23-Sep-2020 10:06:47 -03

    Morre o jornalista Joelmir Beting, aos 75 anos

    DE SÃO PAULO

    29/11/2012 02h00

    Morreu à 1h desta quinta-feira (29) em São Paulo, aos 75 anos, o jornalista paulista Joelmir Beting.

    Internado há mais de um mês no hospital Albert Einstein, Beting estava em estado de coma, decorrente de um acidente vascular encefálico hemorrágico (AVE) ocorrido no último domingo (25), e respirava com auxílio de aparelhos.

    Filho de Joelmir Beting lê carta em homenagem ao pai
    Joelmir Beting deu origem à expressão 'gol de placa'

    Beting passava por um tratamento para combater uma doença autoimune desde 22 de outubro.

    O velório do jornalista ocorreu às 8h no cemitério do Morumbi, na zona oeste de São Paulo, e a cerimônia de cremação foi às 16h, no Crematório Horto da Paz, em Itapecerica da Serra.

    Nascido em Tambaú (a 255 km de São Paulo), Beting foi um dos pioneiros da imprensa econômica brasileira. Sua coluna diária, lançada em 1970 na Folha, foi publicada durante 34 anos em mais de 50 jornais de todo o país.

    Beting também inaugurou o comentário econômico para a rádio e a televisão, com colaborações nas emissoras Record, Bandeirantes, Globo, TV Gazeta e Globonews.

    Desde 2004, o jornalista participava do "Jornal da Band", na TV Bandeirantes.

    Ao usar linguagem simples e clara para tratar de temas áridos de economia e finanças, Beting ficou conhecido pela capacidade de "traduzir" o jargão econômico para o público em geral. Ao fugir do economês, foi chamado por alguns críticos, principalmente do meio acadêmico, de "Chacrinha da economia".

    A alcunha não o incomodava. "Não falo para a dona de casa, mas para a empregada dela", costumava afirmar o jornalista, formado em sociologia pela USP (Universidade de São Paulo).

    TRAJETÓRIA

    Beting tornou-se jornalista alguns anos depois de desembarcar em São Paulo, segundo ele, "apenas com a roupa do corpo". Vinha de Tambaú, onde chegou a trabalhar colhendo jabuticabas e limões em fazendas, ao lado do pai e do irmão, até os 7 anos.

    Também foi locutor-mirim na rádio local da cidade, que tinha cerca de 7 mil habitantes na década de 50. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), hoje a cidade tem 22 mil habitantes.

    Seu objetivo na capital paulista era se tornar jornalista. Após ingressar no curso de Sociologia na USP, trabalhou como estagiário em veículos esportivos como "Diário Popular" e "O Esporte". Com a graduação concluída, em 1966, deu os primeiros passos na área econômica.

    Beting trabalhava como redator em uma consultoria econômica, elaborando relatório de empresas, quando recebeu o convite para lançar uma editoria de automóveis no caderno "Classificados" da Folha. Dois anos depois, assumiria a chefia da editoria de economia do mesmo jornal.

    COLUNA

    A primeira coluna diária foi publicada em 1970. Na Folha, os textos foram publicados até 1991. Entre este ano e 2004, seus textos foram veiculados em jornais nacionais como "O Estado de S. Paulo" e "O Globo".

    O motivo para o fim das colunas nos diários impressos foi uma polêmica envolvendo sua participação em uma campanha publicitária do banco Bradesco, em dezembro de 2003. Na época, Beting afirmou que não tinha vínculo empregatício com os jornais --o que o eximia de seguir as regras de conduta jornalísticas dos veículos.

    "Houve julgamento preconceituoso, que tem como base um formalismo anacrônico", disse o jornalista em entrevistas, meses depois do episódio.

    Estudioso, Beting tinha uma rotina pesada. "Trabalho e estudo 15 horas por dia, desde a infância em Tambaú."

    O jornalista escreveu os livros "Na Prática a Teoria é Outra" (1973) e "Juros Subversivos" (1985).

    Beting deixa a esposa, Lucila, com quem era casado desde 1963, e os filhos Gianfranco e Mauro, este último também jornalista.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020