• Mercado

    Saturday, 07-Dec-2019 13:36:28 -03

    Economia guia livro sobre a ascensão do nazismo de Hitler

    RODRIGO RUSSO
    DE SÃO PAULO

    18/05/2013 04h00

    As razões econômicas para as decisões tomadas pela Alemanha antes e durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) são o tema da extensa investigação de Adam Tooze, historiador britânico, em "O Preço da Destruição - Construção e Ruína da Economia Alemã" (ed. Record).

    Em quase 900 páginas, incluindo apêndices e notas explicativas, Tooze analisa o cenário alemão após a Primeira Guerra, as disputas que permitiram a ascensão de Hitler ao poder e suas principais decisões para sustentar o esforço de guerra, que, para o autor, estava fadado ao fracasso se interpretado com auxílio da história econômica.

    Na alentada introdução, ele explica que, com frequência, essa esfera econômica fica completamente isenta de escrutínio crítico.

    "Muitas vezes, presume-se que o regime de Hitler somente enfrentou as verdadeiras escolhas estratégicas de política econômica, nas quais a ideologia nacional socialista era realmente influente, em 1936, quatro anos após a chegada ao poder", observa, para logo em seguida desmontar essa tese.

    Tooze também critica os historiadores do século 20 por assumirem em suas análises que a Alemanha era uma gigante econômico em potencial, afirmando que a história do período é marcada pelo fim da hegemonia de qualquer país europeu e pela ascensão de novas potências --especialmente os EUA.

    Segundo o autor, Hitler percebeu com clareza, na década de 1920, a "ameaça de hegemonia global" representada pelo país, e pensava em como contrapor-se ao seu domínio econômico e militar, aparentemente inevitável.

    O líder alemão, contudo, escolheu resposta explosiva: a anexação de território a leste para rivalizar com o território ocupado pelos EUA.

    O rearmamento, portanto, é a "força absoluta e determinante que impulsionou, desde o início, a política econômica. Tudo o mais foi sacrificado em prol disso".

    Dessa forma, Tooze põe em xeque a visão que confere proeminência à questão da criação de postos de trabalho na agenda do regime nacional-socialista.

    "As decisões de política econômica mais cruciais tomadas no período 1933-34 não se referiam ao desemprego, e sim às dívidas externas da Alemanha, à sua moeda e ao desarmamento, e, com relação a essas questões, não é possível fingir inocência política."

    Uma das principais revelações do livro é a de que, no verão de 1939, Hitler estava ciente de que seu esforço por um programa de longo prazo de preparação para a guerra havia fracassado.

    O crescente rearmamento das potências ocidentais contra as quais pretendia investir, aliado à impossibilidade, por desequilíbrio no balanço de pagamentos, de incrementar sua produção bélica obrigou o regime a se lançar antecipadamente ao confronto, já que não ganharia mais nada ao postergá-lo --o país tinha tênue vantagem militar no início da guerra.

    O componente ideológico do antissemitismo também foi fundamental na decisão de Hitler, que evitava o assunto nos discursos oficiais à liderança militar, mas acusava a comunidade judaica internacional de buscar a destruição do regime nazista.

    Um dos méritos do autor é utilizar linguagem clara e relatos com riqueza de detalhes, embora a leitura do trabalho, por seu volume de informação, não seja fácil.

    A edição brasileira poderia apenas ter tido o cuidado de atualizar currículo do autor.

    Entre o lançamento no exterior, em 2008, e a publicação neste ano no país, Tooze trocou a britânica Universidade de Cambridge pela americana Universidade Yale, onde leciona história alemã moderna desde 2009.

    *

    O Preço da Destruição - Construção e Ruína da Economia Alemã
    AUTOR Adam Tooze
    EDITORA Editora Record
    QUANTO R$ 74,90 (882 págs.)
    AVALIAÇÃO ótimo

    09.nov.1933/Associated Press
    Multidão saúda Adolf Hitler que desfila em carro pelas ruas de Munique, Alemanha, durante a celebração dos 10 anos do movimento Nacional Socialista, em novembro de 1933
    Multidão saúda o ditador Adolf Hitler, que desfila em carro pelas ruas de Munique, na Alemanha, em novembro de 1933
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019