• Mercado

    Monday, 21-Jun-2021 16:36:05 -03

    Cenário externo influencia mais a cotação do dólar, aponta estudo

    MARIANA CARNEIRO
    DE SÃO PAULO

    09/09/2013 03h28

    Depois de bater R$ 2,43 há pouco menos de 15 dias, o dólar voltou à casa dos R$ 2,20 na última semana. Segundo analistas, ficou mais distante de uma subida mais brusca no curto prazo, mas as incertezas externas -em que o desempenho da economia americana é o centro das atenções- deverão manter o dólar na gangorra.

    Estudo recém-elaborado pelo economista e professor do Insper José Luiz Rossi Júnior e Wilson Felício mostra que é o cenário global quem tradicionalmente comanda a cotação do dólar no Brasil.

    A influência é maior do que a taxa básica de juros doméstica, o crescimento econômico, a inflação ou o deficit brasileiro nas contas externas.

    O levantamento levou em consideração os movimentos do dólar no Brasil desde a flutuação, em 1999, até 2011. Nesse período, diz Rossi, foi a demanda global por dólares que definiu a cotação da moeda americana no Brasil. Exemplo é a alta recente.

    "Aqui no Brasil não houve uma grande mudança de fundamentos, nenhuma notícia que pudesse provocar um salto na taxa de câmbio. O que aconteceu foi lá fora: o mercado ficou mais volátil, com mais incerteza, e os agentes mais avessos ao risco."

    EFEITO FED

    Esse cenário, na sua opinião, provocou uma piora das expectativas, que levou o dólar dos R$ 2 aos atuais R$ 2,30.

    Desde maio, quando o Fed (banco central americano) indicou que vai retirar os estímulos financeiros usados para recuperar o crescimento econômico, o real -como outras moedas de emergentes- perdeu valor frente ao dólar.

    Com a perspectiva mais promissora de crescimento nos EUA, investidores começaram a retornar ao mercado americano, saindo de países emergentes, como o Brasil.
    Entre 18 países analisados por Rossi, o Brasil foi o mais sensível ao quadro externo.

    Para ele, isso pode estar relacionado à atração do país para aplicações vinculadas ao diferencial de taxas de juros e que são facilmente desmontadas em mudanças globais. A conclusão se diferencia de análises internas que dizem que a alta do dólar estaria respondendo à deterioração das condições do Brasil. Para Rossi, os fundamentos pioraram. Mas a correção via alta da taxa básica de juros, já em curso, não deve ser suficiente para cessar a alta.

    Na sua opinião, o comportamento do câmbio será definido pelo grau de incerteza externa, o preço das commodities (matérias-primas com preços fixados no mercado externo) e pela disponibilidade de recursos privados voltados para investimentos.

    "Os agentes não sabem o que vai acontecer nos EUA. Essa incerteza afeta o câmbio aqui", afirma.

    Segundo Natan Banche, sócio da consultoria Tendências, o cenário externo é relevante, mas existem fatores internos que impulsionam a desvalorização do real.

    As obrigações locais de curto prazo em dólares, diz ele, mais do que dobraram neste ano, o que levou empresas a buscar a moeda americana para honrar compromissos. Ainda assim, diz, R$ 2,40 parece ser hoje o teto do dólar.

    Editoria de Arte/Folhapress
    Folhainvest

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021