• Mercado

    Sunday, 09-Dec-2018 19:22:33 -02

    'Spotify' libanês diminui peso das canções para driblar lentidão

    DIOGO BERCITO
    ENVIADO ESPECIAL A JOUNIEH (LÍBANO)

    24/05/2015 02h00

    Um dos exemplos recentes do empreendedorismo libanês, o aplicativo Anghami é também hoje uma mostra de como empresários driblam, no país, empecilhos técnicos.

    Baseado no download e na reprodução em tempo real de músicas, o produto teve que se adaptar à realidade da internet libanesa.

    A conexão de internet móvel ainda não é rápida no país, avaliado na 77ª posição entre 113 países no ranking da Ookla, especializada na análise da velocidade da internet. O Brasil está em 71º.

    Divulgação
    Escritório do aplicativo Anghami em Jounieh, no Líbano
    Escritório do aplicativo Anghami em Jounieh, no Líbano

    Para que a proposta de ouvir música no celular pela internet funcionasse no Líbano, o aplicativo fundado pelos empresários Eddy Maroun e Elie Habib adotou uma solução tecnológica que reduz o peso das canções.

    "Queríamos que fosse possível ouvir música em qualquer lugar", diz Maroun.

    Lançado no início de 2013, Anghami é uma das start-ups de maior sucesso no Líbano. Há 12 milhões de usuários.

    Na ausência no país do Spotify –aplicativo sueco com funções semelhantes e 60 milhões de usuários–, Maroun e Habib atuam em um mercado quase sem competição. A ameaça, diz Maroun, vem da pirataria.

    Anghami mede o sucesso também pelo tamanho de seu catálogo de músicas, especializado em canções em língua árabe, mas também com repertório internacional.

    À Folha Maroun explica a ascensão da empreitada por uma série de contratos estratégicos. Em primeiro lugar, o investimento de US$ 1 milhão feito pelo Middle East Venture Partners. Em seguida, com a entrada de outros dois investidores, a TV MBC e a empresa de telecomunicação Mobily. Os três têm participação nas ações.

    Também foi fundamental, afirma, garantir a exclusividade para reproduzir as músicas de grandes gravadoras da região. A gigante Rotana, por exemplo, divulga ali seus lançamentos. Além disso, há parcerias com redes de televisão e programas musicais de peso, como o "Arab Idol".

    O capital atual é confidencial, assim como o lucro, mas o empresário diz que triplica a receita anualmente. São 32 funcionários e um escritório com três pessoas em Dubai.

    Segundo Maroun, a receita da empresa vem da assinatura do aplicativo por R$ 15 mensais –a versão gratuita tem anúncios– e também da propaganda. O Anghami, que pode ser baixado no Brasil no iPhone, não divulga o número de assinantes.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018