• Mercado

    Thursday, 27-Jan-2022 01:58:18 -03

    Juros sobem pela 7ª vez seguida e Selic chega a 14,25%, maior nível em 9 anos

    DE SÃO PAULO

    29/07/2015 21h04

    Sergio Lima/Folhapress
    Fachada do Banco Central, em Brasília
    Fachada do Banco Central, em Brasília

    Uma semana depois de o governo anunciar uma redução substancial na sua meta de economia para o ano, o Banco Central elevou nesta quarta-feira (29) a taxa básica de juros, a Selic, em mais 0,5 ponto percentual, para 14,25% ao ano.

    Foi a sétima alta consecutiva da Selic, que chega ao maior patamar em nove anos —desde agosto de 2006, quando a taxa também estava em 14,25%. A decisão tomada por 8 dos 9 diretores do BC já era esperada pelo mercado.

    Em nota, o BC disse que os juros devem permanecer nesse novo patamar "por período suficientemente prolongado" para garantir a convergência da inflação para a meta no fim de 2016.

    Superavit

    Em iniciativa inédita, o diretor de Assuntos Internacionais Tony Volpon, se absteve de participar da reunião que definiu a Selic depois que declarações feitas por ele na semana passada sobre os juros geraram polêmica.

    Segundo noticiado pelo jornal "Valor", Volpon descartou em apresentação a investidores a possibilidade de votar por uma redução dos juros até que a projeção do BC aponte para uma inflação no centro da meta de 4,5%.

    Alguns analistas de mercado e políticos avaliaram que o diretor teria antecipado o seu voto no Copom (Comitê de Política Monetária).

    Nesta quarta-feira, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) defendeu a demissão de Volpon.

    Em nota, o BC informou que compreendeu a decisão do diretor de não participar da reunião e que já havia "acolhido" os esclarecimentos dados por ele sobre o caso.

    Há duas semanas, parte dos economistas ainda cogitava a possibilidade de o BC reduzir o ritmo de aperto dos juros, optando por uma alta de 0,25 ponto após seis aumentos de 0,5 ponto, diante da retração da atividade econômica e da melhora gradual das expectativas de inflação para o próximo ano.

    A decisão do governo de reduzir sua meta de superavit primário de 1,1% do PIB para no máximo 0,15% do PIB, com possibilidade de deficit, reforçou, no entanto, a expectativa de um aperto maior.

    Quanto menor a economia feita pelo governo para o pagamento de juros da dívida, maior o volume de recursos disponível na economia para consumo e investimento —combustível para o reajuste de preços em um cenário de inflação já elevada.

    Em meio a preocupações dos investidores com a trajetória da dívida pública, a redução da meta de economia também alimentou uma alta do dólar, o que tem efeito inflacionário.

    Essas mesmas preocupações contribuíram para que a agência de classificação de risco Standard & Poor´s indicasse nesta semana a possibilidade de reduzir a nota do Brasil para o grau especulativo em um futuro próximo.

    Para este ano, em que a inflação sentiu o choque de reajustes das tarifas reguladas pelo governo, principalmente de energia, e também da alta do dólar, a expectativa é que o IPCA fique bem acima do teto da meta.

    A projeção central mais recente dos economistas consultados pelo BC é que a inflação feche o ano em 9,23%, maior valor desde 2003. Para 2015, as estimativas são de um IPCA de 5,4%.

    O descumprimento da meta neste ano, se confirmado, exigirá que o presidente do BC, Alexandre Tombini, encaminhe uma carta aberta ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, explicando os motivos que levaram o teto de 6,5% a ser superado.

    Taxa básica de juros (Selic)

    PROJEÇÃO

    Para a próxima reunião do Copom, marcada para 1º e 2 de setembro, as previsões divergem sobre a possibilidade e a intensidade de uma nova alta de juros. Para José Pena, economista-chefe da Porto Seguros Investimentos, a decisão sobre a nova elevação vai depender fundamentalmente do comportamento de dólar e inflação até lá.

    "Olhando para o cenário político, creio que o câmbio vá oscilar bastante. A chance de ficar estável nesse patamar é baixa, porque o Congresso retorna do recesso e vai colocar em pauta votações importantes", diz. Nesse cenário, haveria chance de aumento de 0,25 ponto percentual da Selic na reunião de setembro, afirma Pena. Em seguida, o BC encerraria seu ciclo de aperto monetário, deixando a Selic em 14,5% ao ano.

    Por outro lado, complementa, caso o câmbio se comporte e a inflação desacelere, o BC poderia optar por encerrar o ciclo de altas na próxima reunião, o que deixaria a Selic em 14,25% ao ano -em linha com a expectativa dos economistas de instituições financeiras consultados pelo Banco Central no boletim Focus.

    Há quem aposte que o Banco Central manterá o ritmo do aperto monetário e promoverá nova alta de 0,50 ponto percentual em setembro. Para Hegedus, da Lopes Filho, este é o cenário mais provável. "A elevação dos juros surte efeito apenas no médio e longo prazo", diz. "Como não há perspectiva clara para a política brasileira, o corte nos juros a partir do próximo ano também deve ocorrer de forma lenta, à medida que os resultados vierem."

    Juros em alta

    O QUE É SELIC E COMO AFETA A ECONOMIA

    A taxa de juros é o instrumento utilizado pelo BC (Banco Central) para manter a inflação sob controle ou para estimular a economia.

    Se os juros caem muito, a população tem maior acesso ao crédito e, assim, pode consumir mais. Esse aumento da demanda pode pressionar os preços caso a indústria não esteja preparada para atender um consumo maior.

    Por outro lado, se os juros sobem, a autoridade monetária inibe consumo e investimento —que ficam mais caros—, a economia se desacelera e evita-se que os preços subam, ou seja, que haja inflação.

    Com o aumento da taxa básica de juros (Selic), o BC aumenta a atratividade das aplicações em títulos da dívida pública. Assim, começa a "faltar" dinheiro no mercado financeiro para viabilizar investimentos que tenham retorno maior que o pago pelo governo. Se a taxa cai, ocorre o inverso.

    É por isso que os empresários pedem cortes nas taxas: para viabilizar investimentos, ainda mais em tempos de economia fraca, como agora. Nos mercados, reduções da taxa de juros viabilizam normalmente migração de recursos da renda fixa para a Bolsa de Valores.

    Em um cenário normal, é também por esse motivo que as Bolsas sobem nos Estados Unidos ao menor sinal do Federal Reserve (BC dos EUA) de que os juros possam cair.

    Quando o juro sobe, acontece o inverso. O investimento em dívida absorve o dinheiro que serviria para financiar o setor produtivo.

    LADO POSITIVO
    Por que o Copom manteve o ritmo de alta de 0,5 p.p. da taxa de juros

    META FISCAL
    A redução de meta de superavit, somada à recente alta do dólar, pode atrapalhar o objetivo de reduzir a inflação

    > INFLAÇÃO MENOR
    Juro em alta diminui o consumo e pode ajudar a controlar a inflação

    8,89% é a variação do IPCA em 12 meses até jun.2015

    LADO NEGATIVO

    > DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA
    Juros em alta prejudicam investimentos e freiam a atividade econômica

    -6,9%
    Variação da produção industrial geral de jan. a mai. 2015 ante igual período de 2014

    > MENOS EMPREGO
    Queda nos investimentos e na produção reduzem o nível de emprego

    8,1% é a taxa de desemprego no trimestre encerrado em mai.2015

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022