• Mercado

    Sunday, 14-Jul-2024 01:52:27 -03

    Ex-diretores do Banco Central são condenados a pagar quase R$ 5 bilhões

    DIMMI AMORA
    DE BRASÍLIA

    05/08/2015 17h27

    Paula Giolito/Folhapress
    O banqueiro Salvatore Cacciola deixando o presídio, em 2011; ele era o dono dos bancos beneficiados
    O banqueiro Salvatore Cacciola deixando o presídio, em 2011; ele era o dono dos bancos beneficiados

    Ex-diretores do Banco Central em 1999, durante o governo FHC, e o banco FonteCindam foram condenados a devolver pouco mais de R$ 3,7 bilhões aos cofres públicos por causa de prejuízos causados em operações de compra e venda de dólares em 1999. Além disso, terão que pagar multas superiores a R$ 1 bilhão.

    A decisão foi tomada nesta quarta-feira (5) pelo TCU (Tribunal de Contas da União) e cabe recurso. O caso ficou conhecido como escândalo Marka-FonteCindam. Eles teriam sido beneficiados com a venda de dólares por valor mais barato que o preço de mercado. O dono do Marka, Salvatore Cacciola, foi condenado e preso por causa dessas operações.

    Dezesseis anos depois, o TCU encerrou a primeira fase do processo que apura quem são os responsáveis e o valor do prejuízo aos cofres públicos com essa operação.

    Os condenados são Chico Lopes, ex-presidente do Banco Central; os ex-diretores do FonteCindam Roberto Jose Steinfeld (já falecido), Fernando Cesar Oliveira de Carvalho e Luiz Antonio Andrade Gonçalves; os ex-diretores do Banco Central Claudio Ness Mauch e Demosthenes Madureira de Pinho Neto; e o banco FonteCindam. Um outro processo julgará o caso do banco Marka.

    Além de devolver o dinheiro considerado desviado, os ex-diretores terão que pagar multa individual de R$ 1 milhão. Já para o banco, a multa individual foi de R$ 1 bilhão. Os bens dos responsáveis foram bloqueados. Segundo dados do Banco Central, dois bancos já não operam mais no mercado financeiro.

    A relatora do processo, ministra Ana Arraes, entendeu que não era legal e não teve qualquer justificativa o que ela chamou de "socorro personalíssimo" aos bancos, que foi superior a R$ 1,3 bilhão.

    Em menos de um mês, o Banco Central teve que arcar com um prejuízo de R$ 522 milhões por essas operações. Os valores corrigidos pela inflação e com juros fazem com que o valor do prejuízo ultrapasse os R$ 3,7 bilhões. Esse prejuízo é dividido entre todos os responsáveis.

    "Não foram observados os princípios da publicidade e da impessoalidade [nos atos do BC]", disse a relatora classificando-os de "abusivos e ilegais".

    A advogada Evie Nogueira e Malafaia, que defende o banco FonteCindam e seus representantes, pediu para que o processo fosse reavaliado pela área técnica devido à falta de análise de documentos da defesa, o que não foi aceito pelos ministros do TCU.

    A advogada defendeu que o banco não deveria ser condenado porque não "houve socorro financeiro" ao banco já que ele não estava em risco e a operação não causou prejuízo.

    "A operação era regular e amparada pela legislação", afirmou Evie lembrando que perícias apontaram que não houve prejuízo ao erário.

    Artur Lima Guedes, que defende ex-diretores do BC, disse que as operações se justificaram pela crise porque o país passava e que as regras da época obrigava o BC a vender dólares pelos valores comprados pelos bancos. Ele também defendeu que não houve prejuízo ao erário.

    "Eles buscaram nada mais que evitar o aprofundamento da crise", disse Guedes dizendo que a ação dos servidores foi legítima.

    O Banco Central informou que "embora não seja parte no processo, avaliará as conclusões tão logo seja publicado o acórdão".

    O CASO

    O caso começou com a chamada crise cambial de 1999, quando o governo teve que desvalorizar o real para evitar que o país não tivesse recursos para pagar dívidas de curto prazo. O BC, então, elevou o teto da cotação do dólar de R$ 1,22 a R$ 1,32.

    Naquele momento, o banco de Cacciola tinha 20 vezes seu patrimônio líquido aplicado em contratos de venda no mercado futuro de dólar. Com o revés, Cacciola não teve como honrar os compromissos e pediu ajuda ao BC.

    Sob a alegação de evitar uma quebradeira no mercado — que acabou ocorrendo —, o BC vendeu dólar mais barato ao Marka e ao FonteCindam, ajuda que causou o prejuízo apontado agora ao TCU.

    Em 2000, o Ministério Público pediu a prisão preventiva de Cacciola com receio de que o ex-banqueiro deixasse o país. Ele ficou na cadeia 37 dias, mas fugiu no mesmo ano, após receber liminar do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello — revogada em seguida.

    Pouco tempo depois de se descobrir o paradeiro do ex-banqueiro, o governo brasileiro teve o pedido negado pela Itália, que alegou o fato de ele ter a cidadania italiana.

    Em 2005, a juíza Ana Paula Vieira de Carvalho, da 6ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, condenou Salvatore Cacciola, à revelia, a 13 anos de prisão pelos crimes de peculato (utilizar-se do cargo exercido para apropriação ilegal de dinheiro) e gestão fraudulenta.

    O então presidente do BC, Francisco Lopes, recebeu pena de dez anos em regime fechado e a diretora de Fiscalização do BC, Tereza Grossi, pegou seis anos. Os dois entraram com recurso e respondem o processo em liberdade.

    Também foram condenados na mesma sentença outros dirigentes do BC: Cláudio Mauch, Demosthenes Madureira de Pinho Neto, Luiz Augusto Bragança (cinco anos em regime semi-aberto), Luiz Antonio Gonçalves (dez anos) e Roberto José Steinfeld (dez anos). Os recursos estão em análise no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

    O Banco Central também tem processos administrativos sobre os bancos, seus controladores e diretores por exposição indevida a riscos e gestão temerária.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024