• Mercado

    Tuesday, 25-Feb-2020 21:40:06 -03

    Funcionário embriagado no trabalho não pode ser demitido por justa causa

    LEDA ANTUNES
    DO "AGORA"

    21/10/2015 12h00

    Letícia Moreira/Folhapress
    Ambiente do Bar Brahma; funcionário embriagado no trabalho não pode ser demitido por justa causa
    Ambiente do Bar Brahma; funcionário embriagado no trabalho não pode ser demitido por justa causa

    Uma empresa não pode demitir por justa causa um funcionário que compareceu ao trabalho aparentando estar bêbado. Para a Justiça, se o empregado comparecer ao serviço aparentando estar alcoolizado ou sob efeito de entorpecentes, deve ser advertido e, caso faça isso uma segunda vez, deve ser encaminhado para tratamento.

    O entendimento do TST (Tribunal Superior do Trabalho) foi aplicado no caso da demissão de um supervisor de movimentação de cargas em plataforma de petróleo.

    A justa causa só se justifica se o funcionário já tiver sido encaminhado pela empresa para tratamento no INSS, por se tratar de indício de uma doença, e, ainda assim, volte a trabalhar embriagado.

    Letícia Moreira/Folhapress
    Carteira de trabalho; funcionário bêbado não pode ser demitido por justa causa
    Carteira de trabalho; funcionário bêbado não pode ser demitido por justa causa

    O tribunal também avaliou que, para atestar a gravidade da falta, é necessário comprovar o grau de embriaguez do trabalhador. A demissão não pode ser justificada somente em suposto cheiro de álcool, como foi feito no caso da demissão do supervisor de movimentação de cargas.

    O tribunal decidiu reverter a demissão por justa causa do ex-funcionário. Deste modo, o supervisor terá direito às verbas rescisórias garantidas na dispensa sem justa causa, como férias proporcionais e férias vencidas acrescidas de abono (um terço do valor das férias vencidas e proporcionais), 13º salário proporcional e multa de 40% sobre o saldo do FGTS.

    -

    • QUAL É A REGRA

    > Se o funcionário comparecer ao serviço bêbado, poderá levar advertência caso apresente mau comportamento e indisciplina

    > Se o caso se repetir, a empresa não pode demiti-lo por justa causa

    > O empregador deve encaminhar o funcionário para tratamento no INSS

    Tratamento:

    > Ele terá direito ao auxílio-doença caso a perícia médica do INSS confirme que tem dependência alcoólica ou de entorpecentes

    > A demissão por justa causa só poderá ocorrer se o empregado voltar a trabalhar bêbado após o tratamento

    Fontes: Tribunal Superior do Trabalho e advogado Alan Balaban Sasson

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020