• Mercado

    Saturday, 04-Dec-2021 08:44:24 -03

    Dívida pública federal avança em setembro e chega a R$ 2,73 trilhões

    FÁBIO MONTEIRO
    DE BRASÍLIA

    26/10/2015 10h10

    Fernando Frazão - 24.jul.2012/Folhapress
    RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL, 24-07-2012, 10h00: Fábricas de matrizes e cédulas da Casa da Moeda do Brasil (CMB), em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Processo de fabricação e itens de segurança das cédulas da nova família, em especial as notas de R$ 10 e R$ 20, lançadas na última segunda-feira (23), em Brasília, pelo Banco Central. (Foto: Fernando Frazão/Folhapress, FOTO) ***EXCLUSIVO FOLHA***
    Matrizes e cédulas da Casa da Moeda do Brasil

    A dívida do governo federal cresceu novamente em setembro, segundo dados do Tesouro Nacional divulgados nesta segunda-feira (26). A dívida pública federal, que inclui os endividamentos interno e externo do governo, se expandiu em 1,80% na comparação com agosto, atingindo R$ 2,734 trilhões.

    O desempenho leva em conta a soma das dívidas contraídas pelo Tesouro com a venda de títulos públicos, que são usados para financiar os deficits no Orçamento. Em setembro, o Tesouro registrou emissão líquida de R$ 13,45 bilhões. Houve também expansão de R$ 34,89 bilhões da dívida em juros.

    Considerando o estoque da dívida interna, houve aumento de 1,44%, somando R$ 2,588 trilhões em setembro. A expansão menor da dívida interna contrasta com a da externa, que mostrou crescimento maior no período, totalizando R$ 145,89 bilhões, um aumento de 8,62% ante o mês anterior.

    Dívida pública

    Na composição da dívida interna, a parcela dos títulos com remuneração prefixada caiu de 43,26% para 43,18%, mesmo comportamento da participação dos papéis atrelados a índices de preços, que tiveram queda de 33,67% para 33,48%. A participação de títulos remunerados por taxa flutuante cresceu de 22,40% em agosto para 22,62% em setembro.

    O custo médio da dívida em títulos emitidos pelo Tesouro no mercado interno também cresceu, chegando em setembro a 13,62% ao ano. No mês anterior esse índice era de 13,53%, bem acima do que foi registrado no fim de 2014, 11,51%.

    "O aumento do custo da dívida é decorrência do cenário mais desafiador que estamos vivendo nos últimos anos. A tendência é que, uma vez que o cenário fiscal estiver mais claro, é que haja melhora nos fundamentos macroeconômicos e consequente redução no custo da dívida pública", disse José Franco, coordenador geral de operações da dívida pública.

    Por conta desse cenário, o Tesouro adotou em setembro uma estratégia que envolvia leilões de compra e venda não previstos, além de cancelamento dos leilões de títulos prefixados.

    "O Tesouro tem buscado atuar de maneira a reduzir a volatilidade. Vem calibrando os leilões e emitindo lotes menores, justamente para não ratificar taxas muito elevadas, e contribuir para a redução da volatilidade no mercado." afirmou Franco.

    Dívida pública

    ESTRANGEIROS

    Na observação de detentores da dívida interna, a participação de estrangeiros segue em queda. Em setembro, eles possuíam 18,85% do total de títulos. No mês anterior, representavam 19,14%.

    A maior parte da dívida continua nas mãos das instituições financeiras, com 25,36% dos títulos. Fundos de previdência (20,88%) e fundos de investimento (20,08%) estão logo atrás no ranking.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021