• Mercado

    Saturday, 20-Apr-2019 10:16:35 -03

    BTG arma estratégia para reforçar caixa e conter crise de credibilidade

    DAVID FRIEDLANDER
    JULIO WIZIACK
    RENATA AGOSTINI
    TONI SCIARRETTA
    DE SÃO PAULO

    02/12/2015 02h00

    Como numa partida de xadrez, o BTG Pactual arma três jogadas para tentar evitar o xeque-mate de sua credibilidade, comprometida desde a prisão de André Esteves, controlador do banco investigado na Operação Lava Jato.

    Os próximos lances serão a venda de participação em empresas, cessão de créditos, e a possível emissão de até R$ 1 bilhão em títulos com garantia, tudo para reforçar o caixa e fazer frente aos saques de clientes que querem trocar de banco desconfiados de que o BTG possa ter sido usado em negócios suspeitos.

    A Folha apurou que o BTG espera concluir até sexta a venda de 12% da Rede D'Or, que gerencia hospitais, para o fundo soberano de Cingapura (GIC). A operação pode render de R$ 2 bilhões a R$ 2,5 bilhões e marcar a saída do banco do negócio. Em maio, o GIC tinha comprado 16% da participação do BTG na empresa por R$ 3,2 bilhões.

    Ainda segundo apurou a reportagem, a rede de estacionamentos Estapar poderá vir na sequência. Há interessados, mas o banco ainda não abriu negociação. Hoje, a companhia vale cerca de R$ 1,3 bilhão e o BTG tem a maior parte das ações.

    TÍTULOS

    Em outra frente, Bradesco e Itaú negociam a compra de até R$ 4 bilhões em empréstimos feitos pelo banco.

    O BTG estuda ainda emitir até R$ 1 bilhão em papéis especiais conhecidos como DPGE. Caso a instituição quebre, o investidor que adquirir esse título terá a garantia de receber até R$ 20 milhões. O valor será pago pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

    Para fazer essa emissão, o banco terá de pagar custos superiores aos títulos que normalmente coloca no mercado, como CDB –mais um sinal de que o BTG está enfrentando dificuldades para levantar recursos.

    Principal papel negociado pelo banco no exterior, os bônus de dez anos com vencimento em 2022 já perderam 42,1% de seu valor desde a prisão de Esteves, na quarta-feira (25). Nesta terça, eles eram negociados a 51,8% de seu valor de face. No dia 24, eram vendidos por 89,5%.

    Esses bônus foram lançados em 2012 com juros de 5,75%. Em 2013, chegaram a ser vendidos por até 105% do seu valor de face.

    FEIRÃO - BTG poderá ter dificuldade de se desfazer de ativos

    DESMONTE

    Desde sua criação, o BTG investiu em muitas frentes de negócio, adquirindo empresas de diversos setores –como companhias do ramo imobiliário, de petróleo e energia, saúde (hospitais e farmácias), varejo e montadoras.

    O problema é que a maior parte desse investimento foi feita em empresas que hoje estão em apuros e das quais o banco não consegue se livrar. A PetroÁfrica e a Sete Brasil são alvo na Lava Jato; a Mitsubishi do Brasil foi denunciada na Operação Zelotes; a operadora de telefonia Oi corre risco de quebrar se o próprio BTG não viabilizá-la.

    O foco do banco sempre foi comprar empresas em dificuldade, recuperá-las, e vendê-las no ápice de sua valorização. Hoje, poucas estão nessa condição e os sócios ainda não decidiram quais terão prioridade de venda.

    Por enquanto, eles dizem ter cerca de R$ 40 bilhões em caixa para bancar os saques que ocorrem desde a prisão de Esteves, que deixou o comando do banco, mas continua como sócio-controlador. O afastamento do banqueiro poderia conter a desconfiança dos clientes.

    Como a Folha antecipou, os sócios já estudam uma forma de viabilizar a compra dos 28,8% que Esteves tem no BTG. O valor deve girar em torno de R$ 6,5 bilhões. Anda segundo apurou a reportagem, existe solução financeira para uma oferta. A questão é saber se Esteves concordará em deixar o banco.

    *

    DIFICULDADES PARA SAIR DOS NEGÓCIOS

    1 Investigações criminais

    A Sete Brasil e a PetroÁfrica são investigadas na Operação Lava Jato, que apura corrupção na Petrobras. Já a MMC Automotores é investigada na Operação Zelotes, que apura um esquema de sonegação e pagamento de propina para renovação de benefícios fiscais

    2 Saúde do negócio

    Endividada, a operadora Oi enfrenta problemas de caixa e o BTG é o banco responsável por reestruturar a companhia. Sem acordo com a Petrobras, a Sete Brasil já estuda pedir recuperação judicial

    3 Aval de sócios

    Para vender o banco PanAmericano, o BTG precisaria de aval da Caixa, que não deseja um concorrente direto no negócio

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019