• Mercado

    Wednesday, 29-Jun-2022 10:58:36 -03

    OAS venderá parte da concessionária que controla aeroporto de Guarulhos

    RAQUEL LANDIM
    DE SÃO PAULO

    18/12/2015 09h02

    A gestora de fundos canadense Brookfield assumiu na madrugada desta sexta-feira (18) o compromisso de comprar por R$ 1,35 bilhão a participação de 24,4% da OAS na Invepar, concessionária que controla o aeroporto de Guarulhos.

    A operação ainda está sujeita a uma "due dilligence" —avaliação profunda das contas— que será feita pela Brookfield.

    A venda da Invepar, o principal ativo da OAS, faz parte do plano de recuperação judicial da empresa, aprovado pelos credores durante a madrugada (leia mais abaixo). A empresa é alvo da Operação Lava Jato e está altamente endividada.

    A compra pela Brookfield não está garantida, mas todos os passos para que ela ocorra foram tomados.

    Em assembleia, os credores da OAS aprovaram o valor oferecido pela Brookfield. A proposta será oficialmente feita durante o leilão do ativo, que ocorre em cerca de 30 dias.

    Se alguém ofertar um valor mais alto, a Brookfield tem direito de cobri-lo oferecendo 1% a mais e ainda ficar com a Invepar.

    Depois do leilão, o negócio segue ainda para avaliação dos sócios na Invepar: os fundos Previ, Petros e Funcef. Se eles não exercerem seu direito preferencial de comprar o ativo, a Brookfield finalmente ficará com a fatia da OAS na Invepar. Procurada, a gestora de fundos confirmou o negócio.

    Para garantir a preferência no leilão da Invepar, a Brookfield chegou a negociar o empréstimo de R$ 800 milhões adiantados à OAS. Mas com a recessão e muitos ativos à venda, os canadenses desistiram do empréstimo.

    A OAS terá que esperar a venda de sua fatia na concessionária, seu ativo mais valioso, para abastecer seu caixa.

    Conforme a Folha antecipou, o plano de recuperação judicial prevê ainda uma segunda alternativa. Se tudo der errado no negócio com a Brookfield e não aparecer outro comprador, os principais credores ficarão com a empresa.

    Apu Gomes/Folhapress
    Prédio em construção da OAS Em São Paulo
    Prédio em construção da OAS Em São Paulo

    DÍVIDA

    Os credores da OAS aprovaram também na madrugada o plano de recuperação judicial e aceitaram que a construtora deixe de pagar 70% de sua dívida para a maior parte deles.

    A dívida total da OAS varia entre R$ 9 bilhões e R$ 11 bilhões conforme a cotação do dólar, porque a maior parte está em moeda estrangeira.

    Esse desconto vale para os investidores internacionais detentores de títulos de dívida no exterior, que representam cerca de 80% dos débitos totais.

    Todos os credores, inclusive pequenos fornecedores, terão que aceitar um longo prazo de pagamento, de cerca de 19 anos.

    Essas regras não atingem o FI-FGTS, que tem como garantia parte das ações da Invepar. Assim que o ativo for vendido eles recebem sua parte sem desconto.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022