• Mercado

    Wednesday, 20-Jan-2021 23:18:24 -03

    Governo da Argentina chega a acordo com fundos 'abutres'

    MARIANA CARNEIRO
    DE SÃO PAULO

    01/03/2016 02h00

    O governo da Argentina chegou a um acordo com credores internacionais, o que abre a possibilidade de o país colocar um ponto final no calote da dívida externa de 2001 e voltar ao mercado internacional de crédito.

    A Argentina fechou um acordo com os quatro "mais duros" e importantes credores estrangeiros (NML/Elliot Management, Aurelius Capital, Dadivon Kempner e Bracebridge Capital) na noite deste domingo (28).

    O país se comprometeu em pagar US$ 4,4 bilhões até o dia 14 de abril para estes fundos, pejorativamente chamados de "abutres" pelo governo da ex-presidente Cristina Kirchner, que se recusara a negociar com estes credores.

    Outros US$ 263 milhões deverão ser pagos a título de custas judiciais do caso, que se arrasta desde 2014 na Justiça de Nova York.

    ENTENDA A CRISE NA ARGENTINA

    Ao todo, segundo economistas, a Argentina deve a credores externos que não aceitaram um desconto na dívida remanescente do calote de 2001 entre US$ 12 bilhões e US$ 15 bilhões, que deverão ser pagos neste ano.

    O valor varia porque depende do desconto que o país quer obter dos que ainda não aderiram à negociação.

    O ministro da Fazenda argentino, Alfonso Prat-Gay, disse que o país conseguiu um abatimento médio de 25% do valor devido até agora.

    Estes credores representam 7% dos detentores da dívida argentina de 2001. Os outros 93% participaram de renegociações, em 2005 e 2010, e aceitaram um desconto de até 70% da dívida.

    Cristina Kirchner queria que os 7% remanescentes aderissem às mesmas condições, mas os fundos não aceitaram. A disputa acabou na Justiça dos EUA e a Argentina perdeu a causa em 2014.

    Mesmo derrotada, a ex-presidente recusou-se a pagar e a Justiça americana congelou todas as operações de crédito da Argentina no exterior, o que colocou o país em "calote técnico" –tinha dinheiro, mas não podia pagar.

    Antes de assumir, o atual presidente, Mauricio Macri –cujo partido fazia oposição à Cristina–, prometera que negociaria com os fundos, com o objetivo de devolver a Argentina ao mercado internacional de crédito.

    "Nenhum país do mundo cresce sem crédito", afirmou Prat-Gay, nesta segunda (29).

    Segundo seus cálculos, o país perdeu cerca de 2 milhões de empregos devido à relutância do governo anterior em por fim ao impasse.

    "São custos provocados pela saída de divisas do país, de investimentos que não vieram e do uso de reservas internacionais para o pagamento de dívidas", disse.

    Para que o acordo seja honrado, o governo argentino precisa derrubar duas leis no Congresso, aprovadas durante a gestão de Cristina, que proíbem seu sucessor de negociar melhores condições com seus credores.

    Para economistas argentinos, ouvidos pela Folha, Macri (que não tem maioria no Congresso) deverá contar com o apoio de peronistas que romperam com Cristina.

    "Acredito que setores do peronismo vão apoiar o presidente para aprovar o acordo", afirmou o economista Marcos Buscaglia, da consultoria Alberdi Partners.

    Prat-Gay adiantou que, após a aprovação legal, o governo pretende emitir títulos no mercado internacional para arcar com os pagamentos.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021