• Mercado

    Saturday, 20-Apr-2019 09:10:05 -03

    novo governo

    Traduzindo o economês: o que o governo Temer anunciou

    DE SÃO PAULO

    24/05/2016 13h02

    O governo Temer anunciou nesta terça-feira (24) medidas para reduzir os gastos públicos e iniciar a retomada econômica do país.

    Confira, abaixo, as medidas anunciadas.

    1) TETO PARA DESPESAS PÚBLICAS

    O governo vai propor ao Congresso que, a cada ano, as despesas públicas só possam crescer na proporção da inflação do ano anterior.

    Por exemplo, se neste ano o governo gastar 100 dinheiros e a inflação for 10%, em 2017 o teto para gastos será de 110 dinheiros.

    Se aprovado, governo quer que teto seja renovável até que a dívida pública caia para um patamar considerado sustentável.

    GASTOS

    Qual é o efeito disso?

    Na prática, vai reduzir os gastos do governo, que, nas últimas décadas, vêm crescendo acima da inflação.

    Quais os obstáculos para implantar?

    Pelas regras atuais, gastos com itens como educação e saúde precisam cumprir uma porcentagem da receita. Isso terá que mudar para que o governo consiga cumprir o teto proposto. Dependerá de aprovação, pelo Congresso, de uma emenda constitucional (o que exige 3/5 dos votos).

    ORÇAMENTO - R$ bilhões, excluindo gastos com juros

    2) BLOQUEIO DE NOVOS SUBSÍDIOS

    Subsídios são repasses do governo para diversos programas, como os de agricultura familiar (em que os produtores não conseguiriam se manter comercialmente) ou o PSI do BNDES (que dá credito com juros menores que os de mercado). O governo vai propor que não sejam ampliados a não ser que haja uma compensação para essa despesa.

    Qual o efeito disso?

    Impede o aumento de gastos do governo.

    3) FIM DO FUNDO SOBERANO

    Fundo foi criado para receber recursos da exploração do pré-sal. Com a crise no setor de petróleo, a previsão de recursos não se concretizou. O saldo atual é de R$ 2 bilhões.

    Qual o efeito disso?

    O dinheiro volta para o Tesouro, que, assim, não precisa emitir mais títulos (endividar-se mais) para cobrir o rombo das contas públicas

    Quais os obstáculos para implantar?

    Governo estuda se há alguma restrição jurídica. Se não houver, basta a decisão do governo

    4) ANTECIPAÇÃO DE PAGAMENTOS DO BNDES

    Como antecipou a Folha, banco de fomento pagará antecipadamente ao governo R$ 100 bilhões de dívida que tem com o Tesouro Nacional.

    Qual o efeito disso?

    O dinheiro volta para o Tesouro, que, assim, não precisa emitir mais títulos (endividar-se mais) para cobrir o rombo das contas públicas.

    Quais os obstáculos para implantar?

    Governo estuda se há alguma restrição jurídica, já que poderia se caracterizar como antecipação de receita com empresa ou banco público, proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

    Se for possível resolver apenas mudando os termos do contrato com o BNDES, depende apenas de decisão do governo.

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019