• Mercado

    Thursday, 18-Jul-2019 18:39:41 -03

    Em crise, Petrobras deixa de patrocinar festas de São João neste ano

    JOÃO PEDRO PITOMBO
    DE SALVADOR

    23/06/2016 12h07

    Luciano Ferreira/PCR/Divulgação
    Festa de São João em Recife em 2015
    Festa de São João em Recife em 2015

    Enfrentando uma grave crise financeira, com demissões e cancelamento de investimentos, a Petrobras não vai patrocinar festas de São João neste ano.

    A estatal era uma das principais financiadoras das festas juninas no Nordeste e chegou a investir R$ 10,9 milhões em 2012 para patrocinar a festa em 187 cidades.

    Desde então, a empresa vem reduzindo o valor dos patrocínios ano a ano. Em 2015, o patrocínio foi de apenas R$ 1,7 milhão distribuído para 14 cidades.

    Em nota, a Petrobras informou apenas que não patrocinará as festas, mas não apresentou justificativa para o cancelamento.

    A Petrobras patrocina festas junina desde 2005 com foco na divulgação da marca e no apoio a manifestações culturais. Deste então, a estatal investiu cerca de R$ 50 milhões em festas de São João no Nordeste.

    SEM PATROCÍNIO - Petrobras reduziu valor dos repasses para festas juninas desde 2013

    As torneiras fechadas de um dos principais financiadores do São João fizeram parte dos prefeitos reduzirem os gastos com a festa.

    Em Amargosa, cidade do recôncavo baiano com uma das festas mais tradicionais da Bahia, a prefeitura vai investir R$ 1,6 milhão no evento, corte 20% em relação ao ano passado. A cidade recebia cerca de R$ 80 mil por ano de patrocínio da Petrobras.

    "O dinheiro da Petrobras faz falta, sobretudo porque era usado em ações que promoviam o lado mais cultural, da tradição da festa", afirma a prefeita Karina Silva (PSB).

    Além de captar recursos com o governo da Bahia e do Ministério do Turismo, a prefeitura manteve contratos de patrocínio com Ambev e Sky.

    Já em Senhor do Bonfim, outra tradicional festa da Bahia, a prefeitura não conseguiu patrocínios nem públicos nem privados. Vai gastar R$ 1,2 milhão na festa com recursos próprios.

    O prefeito Edivaldo Correia (PTN) afirma que a festa "fere profundamente as finanças do município" e diz manter o São João apenas pela tradição: "É um sacrifício. O povo fica alegre, mas a prefeitura chora", diz.

    Mesmo com menos patrocínios, parte das cidades realizará festas de grande porte. É o caso de Caruaru, que gastará R$ 13 milhões na festa e pagará R$ 575 mil por um show do cantor Wesley Safadão.

    A prefeitura captou R$ 8,1 milhões, sendo R$ 6,1 milhões com dez empresas, incluindo Ambev, Bradesco e Friboi, e R$ 2 milhões do governo de Pernambuco.

    MAIS RECURSOS

    Na contramão da Petrobras, outros órgãos estatais ampliaram o volume de recursos aplicados no São João.

    O Ministério do Turismo, que no início deste ano criou o produto "São João do Brasil" para aumentar o fluxo de visitantes nas festas, vai aplicar R$ 6,2 milhões em festas juninas, sendo a maior parte oriunda de emendas parlamentares.

    O montante é quase 20 vezes maior do que no ano passado Por causa do atraso na aprovação do orçamento de 2015, apenas R$ 300 mil foram investidos em festas juninas

    A Bahiatursa, superintendência de turismo da Bahia, ampliou os repasses para municípios de R$ 3 milhões para R$ 4,8 milhões e vai patrocinar a festa em 96 municípios.

    Em contrapartida, reduziu pela metade a verba para o São João em Salvador. As festas no Pelourinho e no Subúrbio Ferroviário custarão R$ 4,2 milhões e terão atrações locais.

    O QUE É A FESTA

    O QUE É A FESTA
    As festas de São João, na tradição católica, são feitas em homenagem o mártir cristão são João Batista, no dia 24 de julho.

    A data coincide com as festas do meio de verão no hemisfério norte -o chamado solstício de verão, em que ocorre o dia mais longo do ano.

    O final do mês de junho é comemorado em países do norte da Europa −Dinamarca, Estônia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia-, na Irlanda, na Espanha (principalmente na Galícia), na região da Cornualha (Reino Unido), França, Itália e Portugal.

    Fora da Europa, são comuns também no em Porto Rico e Austrália.
    .

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019