• Mercado

    Friday, 03-Jul-2020 14:43:55 -03

    Vendas na internet no Brasil devem dobrar até 2021, indica Google

    FILIPE OLIVEIRA
    DE SÃO PAULO

    17/10/2016 18h14

    brionv/Flickr
    Placa com logo do Google no exterior da cafeteria da empresa nos EUA
    Segundo o Google, o segmento de comércio eletrônico deve crescer em média 12,4% ao ano

    Um estudo encomendado pelo Google junto a empresa Forrester Research indicou que as vendas na internet no Brasil vão dobrar até 2021.

    Segundo a companhia, o segmento terá crescimento médio de 12,4% ao ano e atingirá um total de R$ 85 bilhões em vendas.

    Com isso, o e-commerce passaria dos atuais 5,4% de participação no varejo para 9,5% (sem incluir vendas de alimentos e bebidas).

    Comércio Eletrônico - Pesquisa aponta avanço médio de 12,4% ao ano no Brasil até 2021<br>

    Carol Rocha, gerente de insights de varejo do Google, diz que o crescimento das vendas pela internet, mesmo em contexto de crise, é viabilizado pela possibilidade de comparação rápida de preços e ofertas que ela oferece aos consumidores.

    "A crise abalou um pouco o e-commerce no curto prazo, mas ele não foi tão agredido quanto o varejo off-line, por permitir uma comparação rápida."

    Boa parte desse avanço virá de novos consumidores. Nos próximos cinco anos, 27 milhões de pessoas irão fazer sua primeira compra on-line. Com isso, serão 67,4 milhões de compradores pela internet, o que irá representar 44% dos internautas em 2021, segundo o estudo.

    Outra grande transformação do mercado será o ganho de participação dos smartphones nas vendas. O estudo aponta que, até o final de 2016, 19% das vendas do e-commerce deverão ser feitas via dispositivos móveis. Em 2021, a participação deles nas vendas on-line será de 41%.

    De acordo com a empresa, atualmente 30% dos internautas só podem ser alcançados através do mobile, pois não acessam a internet em outros dispositivos.

    INFLUÊNCIA

    Mesmo quando a compra não é fechada pela rede, a internet pode ter papel importante na decisão do consumidor.

    O estudo afirma que 19% das vendas off-line totais do varejo restrito (desconsiderando alimentos e bebidas) já sofrem influência do meio digital, totalizando R$ 165 bilhões.

    Até 2021, essa influência deve crescer, chegando a 32% das vendas.

    Eletrônicos, livros e eletrodomésticos são categorias onde o on-line mais exerce influência nas vendas na loja física, participando da venda de 6 em cada 10 desses produtos.

    Até 2021 essa influência terá sido ampliada e vai atingir 8 em cada 10 vendas nessas categorias.

    SOFISTICAÇÃO

    Conforme o consumidor brasileiro se torna mais habituado a comprar pela internet, sua compra irá crescer em categorias como moda, artigos esportivos e comida, diz Victor Brotto, analista de indústria do Google.

    "O brasileiro compra bastante objetos que são fáceis de se comparar, que são sempre iguais, como livros ou eletrônicos. Conforme ele começa a ganhar confiança para comprar bens subjetivos, outras categorias vão ganhar participação nas vendas", diz.

    Segundo Brotto, as vendas de produtos não comparáveis eram 11% do comércio eletrônico em 2011. Em 2018, deverá ser de 25%.

    METODOLOGIA

    Para a realização do estudo, o Google entrevistou aproximadamente 4500 pessoas, nas faixas etárias de 16 a 75 anos, a partir da internet.

    Cada uma respondeu a questões sobre três categorias de produtos que foram, aleatoriamente, selecionadas com base nas compras realizadas por elas nos últimos 3 meses.

    A Forrester Research combinou essas informações com outros dados disponíveis no mercado e informações do próprio Google, como tendências de buscas, explica Rocha.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020