• Mercado

    Sunday, 25-Aug-2019 11:40:50 -03

    Andrade Gutierrez fecha acordo com Cade e entrega cartel em Belo Monte

    RENATA AGOSTINI
    DE SÃO PAULO

    16/11/2016 15h26 - Atualizado às 21h47

    A Andrade Gutierrez delatou ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) a existência de um cartel para disputar as licitações de construção e de operação da Usina de Belo Monte. A empreiteira firmou acordo de leniência com o órgão.

    Com a colaboração, a superintendência-geral do Cade instaurou, nesta quarta (16), inquérito administrativo específico para apurar o esquema. O órgão já apura a formação de um cartel de empreiteiras para disputar obras da Petrobras e da Eletrobras.

    Segundo a empreiteira, participaram do cartel a Camargo Corrêa, a Odebrecht e, pelo menos, seis executivos e ex-executivos "do alto escalão" dessas construtoras.

    O acordo entre a Andrade Gutierrez e o Cade foi celebrado em setembro deste ano em conjunto com a força-tarefa da Lava Jato. Ele vinha sendo mantido sob sigilo para não prejudicar as investigações.

    A empreiteira admitiu aos investigadores e aos funcionários do Cade sua participação no cartel e apresentou provas de sua existência.

    O Cade mantém segredo sobre parte do material e o nome dos citados na colaboração. A lista inclui dirigentes das empresas e agentes públicos, segundo uma pessoa que teve acesso ao caso.

    HISTÓRICO

    De acordo com a delação, as três empreiteiras articulavam-se para assumir a obra desde os anos 70, quando começou-se a falar na usina. Juntas, financiaram estudos de viabilidade do projeto.

    Em julho de 2009, já com a decisão de construir Belo Monte, receberam do governo Lula a ordem para que se dividissem. O trio acatou a determinação, mas seguiu trocando informações sobre a proposta que seria feita na licitação. Acertou ainda que, independentemente de quem ganhasse a concessão, todas participariam da construção.

    No leilão, porém, outro grupo venceu a obra.

    O consórcio vencedor, batizado de Norte Energia, assumiu a construção, mas promoveu uma concorrência privada para definir as empresas que tocariam as obras. As três empreiteiras voltaram então a conversar, segundo depoimento da Andrade Gutierrez.

    Ao fim, o trio venceu a disputa e foi contratado pela Norte Energia. De acordo com a Andrade Gutierrez, os contatos entre as três empreiteiras duraram até a assinatura do contrato das obras, em julho de 2011.

    Segundo a Andrade, as reuniões para acertar o conluio ocorreram em restaurantes de Brasília e de SP e na sede das empreiteiras —sempre entre executivos graúdos.

    Não há ainda cálculo sobre o prejuízo causado. Auditoria recente do TCU indicou sobrepreço de mais de R$ 3 bilhões nas obras da usina.

    O Cade agora aprofundará as investigações. Mas há "indícios robustos" da existência do cartel, diz Eduardo Rodrigues, superintendente-geral.

    PRÓXIMOS PASSOS

    A Andrade Gutierrez já havia firmado, em maio deste ano, acordo de leniência com o Ministério Público Federal do Paraná.

    Nele, a empreiteira admitia participação em uma série de crimes, o de cartel entre eles, e concordava em pagar R$ 1 bilhão como compensação aos prejuízos causados.

    A empreiteira entregou ao Cade provas de sua participação no esquema para se livrar de penas administrativas decorrentes de sua participação no cartel de Belo Monte.

    A partir da colaboração, a superintendência-geral irá aprofundar as investigações e emitir recomendação de pena às empresas envolvidas. O processo então é remetido ao Tribunal do Cade, que então julgará as companhias.

    O Cade pode aplicar multas de até 20% do faturamento da empresa caso ela seja condenada.

    Lalo de Almeida/Folhapress
    ALTAMIRA. PARA. 17/12/2014. Operario trabalha na construcao da barragem do sitio Pimental da hidreletrica de Belo Monte no rio Xingu. ( Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress, MERCADO ) ***EXCLUSIVO FOLHA***
    Obra na hidrelétrica de Belo Monte, usina cuja licitação foi alvo de cartel, segundo a Andrade Gutierrez

    SEQUÊNCIA

    O acordo com a Andrade Gutierrez é o quarto firmado pelo Cade em decorrência das investigações da Lava Jato.

    A primeira a delatar no órgão antistruste foi a Setal. A empresa entregou a existência de um cartel em licitações para obras de montagem industrial da Petrobras.

    Em seguida, a Camargo Corrêa procurou o Cade para delatar os cartéis formados para disputar as obras de montagem da usina Angra 3, da Eletronuclear, e as licitações para construção das ferrovias Norte-Sul e Oeste-Leste, da Valec.

    A Camargo Corrêa firmou ainda um termo de compromisso no caso delatado pela Setal, admitindo participação no cartel da Petrobras e concordando a pagar, por isso, R$ 104 milhões.

    No Cade, só há espaço para um acordo de leniência em cada esquema. Uma vez implicada no cartel, as empresas podem se defender no processo ou procurar o órgão para firmar um "termo de compromisso de cessação", o chamado TCC.

    Por meio dele, a empresa admite sua participação no conluio, compromete-se a não cometer a irregularidade no futuro e paga um valor como compensação.

    OUTRO LADO

    A Andrade Gutierrez afirmou, por meio de nota, que o acordo "está em linha com sua postura, desde o fechamento do acordo de leniência com o Ministério Público, de continuar colaborando com as investigações em curso".

    A empresa afirmou ainda que seguirá realizando auditorias internas para "esclarecer fatos do passado que possam ser do interesse da Justiça e dos órgãos competentes".

    A Camargo Corrêa afirmou, por meio de nota, que firmou acordo de leniência "em que corrige irregularidades" e que permanece à disposição para colaborar com as autoridades.

    A Odebrecht não quis comentar.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019