• Mercado

    Monday, 18-Jun-2018 06:30:16 BRT

    Previdência

    Temer admite que Congresso deve alterar proposta para a Previdência

    ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
    DE SÃO PAULO

    17/03/2017 13h15

    A reforma da Previdência deve ser alterada ao passar pelo Congresso Nacional, hoje o "senhor absoluto" da matéria, admitiu o presidente Michel Temer nesta sexta-feira (17), em reunião com empresários na sede da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

    O ideal seria preservar a "espinha dorsal" do projeto formulado pelo Executivo –que já acumula 146 emendas na passagem pela Câmara. Mas adaptações já são previstas no horizonte, como "adequações talvez sobre os mais carentes".

    Temer questionou as motivações dos que se manifestam contra a proposta. "Vejo com frequência que há movimentos de protesto que são de natureza política", disse aos empresários dois dias após setores de esquerda levarem dezenas de milhares às ruas para protestar contra a mudança nas regras da aposentadoria.

    Reforma da Previdência
    As mudanças propostas na aposentadoria

    Ao lembrar da crise previdenciária nos Estados, o presidente disse que o governo federal só irá ao socorro deles se houver contrapartida, para não ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Caso contrário, a fatura pode chegar, disse. "Se eu piscar, vira logo um pedido de impeachment contra o presidente da República."

    'CORTAR NA PRÓPRIA CARNE'

    "É preciso o governo cortar na própria carne", afirmou em bate-papo com o empresariado. Citou como porto de estabilidade para a economia o teto de gastos aprovado por seu governo para limitar as despesas públicas pelas próximas duas décadas.

    Segundo o peemedebista, outro motivo para se entusiasmar é a inflação, que pode chegar a 4% até o fim do ano, abaixo da meta de 4,5%.

    Durante o evento, Temer louvou seu ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), ali presente ("o que ele faz é sempre inovar, um inovador"). Kassab é um dos seis ministros de Temer que aparece na lista apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal, após a delação premiada da Odebrecht.

    Ele participou de reunião do MEI (Mobilização Empresarial para Inovação), que reúne 50 grandes empresas –entre elas Embraer, Natura, Microsoft e Avon.

    A representantes desse grupo Temer lembrou da capa da "Economist" desta semana, que põe o Brasil como uma das economias em "surpreendente ascensão". A bandeira nacional estampa um dos balões que sobem ao céu em ilustração da revista, ao lado de países como Japão e EUA.

    O presidente saiu direto para Brasília. Não quis falar com a imprensa.

    Previdência

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018