• Mercado

    Friday, 20-Jul-2018 00:17:37 BRT

    Previdência

    Aprovação de reformas deve ficar somente para o segundo semestre

    LAÍS ALEGRETTI
    RANIER BRAGON
    DE BRASÍLIA

    02/04/2017 02h00

    Presidente da comissão que analisa a reforma da Previdência, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) chegou a dizer que queria comer ovos de Páscoa com a votação do texto concluída, mas mudou de perspectiva nos últimos dias: "Eu só não quero esperar o Papai Noel".

    As votações das reformas trabalhista e da Previdência, prioridades do governo no Congresso em 2017, vão levar mais tempo do que o Palácio do Planalto esperava.

    As duas propostas estão na Câmara e dependem, além de votação na comissão e no plenário dos deputados, do aval dos senadores.

    O governo contava com a aprovação, ainda no primeiro semestre, da proposta que estabelece idade mínima de 65 anos para aposentadoria.

    Reforma da Previdência
    As mudanças propostas na aposentadoria

    Agora, a própria equipe econômica já considera a possibilidade de a proposta, que altera a Constituição, ter a tramitação concluída apenas no segundo semestre, após o recesso parlamentar.

    O importante, na avaliação de integrantes do governo, é que o texto –que tem sido criticado inclusive por parlamentares da base aliada– não termine desfigurado.

    O governo, que já fez recuos em relação à proposta original, sabe que terá de ceder em mais pontos do texto, como as regras para a aposentadoria rural.

    O relator da proposta, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), chegou a prever a apresentação do parecer à comissão em março e, depois, adiou a previsão para a primeira semana de abril.

    Agora ele já considera a possibilidade de apresentar o parecer à comissão na segunda semana de abril. Nesse cenário, a votação do texto na comissão especial da Câmara ocorrerá na segunda quinzena deste mês.

    "A aprovação deve ficar para a terceira semana. Eu não quero comemorar o Dia do Trabalhador sem isso estar aprovado", afirmou Marun, o presidente da comissão.

    Nesse calendário, o plenário da Casa deve apreciar a proposta só em maio.

    Depois, o texto ainda precisa passar pelo crivo do Senado, o que pode ocorrer no início do segundo semestre. A proposta precisa do apoio de ao menos 3/5 do plenário, em duas votações separadas.

    Além de colocar uma idade mínima de 65 anos e tempo mínimo de contribuição de 25 anos para trabalhadores urbanos e rurais, a proposta impede o acúmulo de benefícios e muda regras para o cálculo da pensão.

    SEGUNDO FRONT

    A reforma trabalhista vai atrasar pelo menos um mês em relação à expectativa inicial do governo.

    Relator da proposta, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) disse que apresentará o parecer à comissão no dia 12 de abril, o que permitirá a votação do texto no plenário no início de maio.

    O Palácio do Planalto contava com a aprovação na Câmara na primeira quinzena de abril. Depois, a proposta ainda segue para o Senado.

    Um dos principais pontos desse texto é a definição de que acordos entre patrões e empregados valham mais do que a legislação, a chamada prevalência do "negociado sobre o legislado".

    Defensores apontam que isso irá destravar uma legislação ultrapassada e impulsionará a geração de empregos. Críticos dizem que os trabalhadores perderão direitos.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018