• Mercado

    Thursday, 06-Aug-2020 03:51:31 -03

    40% da dívida de empresas brasileiras está em dólar

    JULIO WIZIACK
    DE BRASÍLIA

    10/12/2017 02h00

    Rivaldo Gomes/Folhapress
    Integrantes do MST e MTST, fazem protesto em frente da sede da construtora Odebrecht
    O índice era de 28% em 2014, quando estourou a Lava Jato; a busca por dinheiro no exterior foi uma reação à retração na oferta do crédito local

    Quase metade do endividamento das empresas brasileiras está concentrada em 57 companhias, e uma análise dos balanços mostra que a exposição delas ao dólar avançou em três anos.

    Cerca de 40% da dívida desse grupo segue a variação da moeda americana. O índice era de 28% em 2014, quando estourou a Lava Jato. A busca por dinheiro no exterior foi uma reação à retração na oferta do crédito local, em particular após a operação.

    Bancos brasileiros tinham volumes elevados de financiamentos em empresas pegas pela Polícia Federal —como Petrobras e Odebrecht. Para se protegerem, reduziram o crédito não apenas para as investigadas mas até para negócios vistos como idôneos.

    A recessão piorou o ambiente. Temendo que as empresas não tivessem musculatura para resistir a crise, os bancos se fecharam ainda mais.

    A saída para grandes empresas foi buscar dinheiro lá fora. No grupo estão companhias como a mineradora Vale; a Fibria, do setor de papel e celulose; e a Cosan, gigante global em açúcar e etanol.

    Dados do Banco Central mostram que a dívida total das empresas atingiu R$ 2,7 trilhões até setembro deste ano e, segundo levantamento da Fitch Ratings, as 57 maiores empresas brasileiras monitoradas pela agência americana de risco devem, no Brasil e no exterior, R$ 1,29 trilhão —quase metade disso, R$ 548 bilhões é da Petrobras.

    Antes da Lava Jato, a dívida total era de R$ 962 bilhões.

    RISCO

    Para Ricardo Carvalho, diretor sênior de finanças corporativas da Fitch, ao menor sinal de inversão na rota de retomada da economia, o endividamento dessas empresas pode virar um problema.

    "A Petrobras, por exemplo, voltaria para aquela dívida dos níveis agudos da crise", afirmou Carvalho.

    Segundo a empresa de análise financeira Economatica, com base no balanço da petroleira, 79% da dívida de R$ 335 bilhões da estatal está em dólar. Para a Fitch, o endividamento da petroleira é de R$ 548 bilhões, porque inclui outros compromissos financeiros não bancários.

    Outras agências de risco também seguem esse critério, incluindo, por exemplo, o pagamento de aluguel por sondas de petróleo.

    Segundo a mesma Economatica, a exposição da JBS, uma das maiores produtoras de alimentos do mundo, também é grande: da dívida de R$ 47,8 bilhões, R$ 26,7 bilhões são em moeda estrangeira —pelos cálculos da Fitch, é de R$ 65,5 bilhões.

    Na Eldorado, empresa de celulose recentemente vendida pelos donos da JBS, o câmbio interfere em 76% da dívida, que, segundo a consultoria, é de R$ 8 bilhões.

    No cenário político incerto das eleições do próximo ano, analistas de agências de risco e dos principais bancos de investimento consultados pela Folha consideram que há risco de exposição cambial caso, por exemplo, a reforma da Previdência não seja aprovada. Para eles, o efeito sobre as empresas seria imediato.

    Desde a Lava Jato, com a promessa de reformas do governo Temer, o dólar valorizou-se ante o real, passando de R$ 2,20 para R$ 3,30. Ainda sem um candidato que defenda a política de reformas e o ajuste fiscal –hoje sob o comando do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles–, os bancos continuam cautelosos.

    Essas instituições sabem que, ao menor sinal de que a reforma da Previdência não será aprovada pelo Congresso ou por outro solavanco político, os juros futuros começarão a trajetória de alta que marcaria a depreciação dos demais indicadores da economia. Nesse cenário, a expectativa dos bancos para o dólar é de R$ 3,50 apenas num primeiro momento.

    Editoria de Arte/Folhapress
    CONTA PESADA Dólar pesa mais na dívida das empresas brasileiras
    CONTA PESADA Dólar pesa mais na dívida das empresas brasileiras
    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020