• Mundo

    Tuesday, 25-Jun-2024 19:38:07 -03

    Chávez diz que expulsou embaixador israelense por dignidade

    colaboração para a Folha Online
    da France Presse

    07/01/2009 18h39

    O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou nesta quarta-feira que expulsou o embaixador israelense, Shlomo Cohen, por dignidade, já que o governo "está ao lado da vida e não da morte".

    Veja galeria de fotos sobre os ataques
    Envie seu relato e suas fotos sobre ofensiva de Israel em Gaza
    Comente a violência em Gaza
    Leia a cobertura completa dos ataques à faixa de Gaza

    Chávez rejeitou o comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores israelense nesta terça-feira à noite, após a expulsão de Cohen, no qual acusou a Venezuela de manter estreitos laços com o Hamas e o Irã. Hoje, Israel afirmou que também estuda expulsar o representante diplomático venezuelano no paíse, em resposta à mesma decisão.

    Fernando Llano/AP
    Hugo Chávez saiu defendeu novamente os palestinos e chamou o governo de Israel de cínico por acusar o Hamas de terrorismo
    Hugo Chávez saiu defendeu novamente os palestinos e chamou o governo de Israel de cínico por acusar o Hamas de terrorismo

    Durante um ato político em Caracas, Chávez mostrou a foto de uma criança palestina morta nos bombardeios que desde o dia 27 de dezembro do ano passado matou 650 pessoas e deixou 2.500 feridos.

    O presidente afirmou ainda que a missão israelense é a mesma do governo dos Estados Unidos quando em 2001, mostrou imagens de crianças mortas no bombardeio no Afeganistão. Chávez disse que o governo israelense é cínico em dizer que a Venezuela deve apoiar quem está contra o terrorismo.

    "Eles disseram não estar surpresos em saber quem a Venezuela apoia. Eles estão certos realmente. O nosso país está do lado da vida, da soberania dos povos e da justiça", disse Chávez que definiu o governo de Israel como "mensageiros de guerra".

    "O mundo está de braços cruzados porque atrás de Israel está o maldito império norte-americano, que tem que acabar nos próximos anos para que sejamos livres de verdade, para que haja justiça e paz", afirmou o presidente que reiterou o desejo de saber qual será a posição do presidente eleito, Barack Obama, que tomará posse no próximo dia 20.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024