• Mundo

    Thursday, 06-Aug-2020 05:00:04 -03

    Banco chinês fecha conta de instituição financeira da Coreia do Norte

    DA REUTERS, EM PEQUIM

    07/05/2013 16h11

    O Bank of China, um dos maiores bancos chineses, fechou a conta do principal banco que opera com moeda estrangeira da Coreia do Norte. A instituição foi alvo de sanções dos Estados Unidos em março, após Washington acusar a instituição de ajudar no financiamento do programa de armas nucleares de Pyongyang.

    O estatal Banco de Comércio Exterior da Coreia do Norte foi informado que suas operações foram interrompidas e a sua conta encerrada, disse o Bank of China em uma breve declaração na terça-feira. A instituição chinesa não deu nenhuma razão para o encerramento da conta.

    O fechamento é o primeiro passo significativo e anunciado publicamente por uma entidade chinesa para conter suas relações com a Coreia do Norte, na sequência da pressão internacional para punir Pyongyang por seus programas proibidos de mísseis balísticos e nuclear.

    "Eu acho que é realmente uma ação muito notável", disse Zhang Liangui, especialista em Coreia do Norte na Escola do Partido Central da China, acrescentando que o Bank of China provavelmente estava preocupado com a sua reputação e, assim, fechou a conta.

    "Ao tomar essa decisão eu acho que há considerações políticas, bem como considerações sobre os seus próprios interesses."

    As sanções norte-americanas proíbem todas as transações entre entidades ou indivíduos dos Estados Unidos e o Banco de Comércio Exterior norte-coreano. Para especialistas, as medidas são projetadas para evitar qualquer negócio com a instituição do país comunista, do mesmo modo que foi feito com os bancos iranianos.

    A China é aliado da Coreia do Norte e seu maior parceiro comercial. No entanto, o governo local mostrou irritação com as ameaças de ataque nuclear do regime de Kim Jong-un e o clima de instabilidade na região.

    Pyongyang diminuiu a retórica armamentista após encontro entre o presidente chinês, Xi Jinping e o secretário de Estado americano, John Kerry, no início de abril.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020