• Mundo

    Tuesday, 16-Aug-2022 10:49:51 -03

    Nobel da Paz, Ramos-Horta cobra engajamento do Brasil com países lusófonos

    FABIANO MAISONNAVE
    DE SÃO PAULO

    04/10/2013 03h10

    Em palestra em São Paulo, o Prêmio Nobel da Paz timorense José Ramos-Horta exortou o Brasil a aumentar seu envolvimento com os demais países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

    Esse engajamento, defende Ramos-Horta, deveria incluir desde o financiamento das eleições na Guiné-Bissau, onde ele trabalha como representante especial da ONU, até a criação de uma TV nos moldes da Al Jazeera, do Qatar.

    "Até hoje, não há um centavo no fundo do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) para o financiamento das eleições", disse Ramos-Horta, 63, no ciclo de palestras Fronteiras do Pensamento, que tem promoção da Folha. "O Brasil fará honra a seu status de membro da CPLP se financiar generosamente as eleições."

    Ontem, Ramos-Horta teria encontros em Brasília sobre o tema, mas não deve receber boas notícias: procurado pela reportagem, o Itamaraty disse que o Brasil pretende apenas disponibilizar técnicos para acompanhar o processo.

    Eduardo Anizelli/Folhapress
    Ex-presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta participa do evento Fronteiras do Pensamento, em São Paulo, anteontem (2)
    Ex-presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta participa do evento Fronteiras do Pensamento, em São Paulo, anteontem (2)

    Localizada no oeste africano, Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo --ocupa a 176ª posição entre 182 nações no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano da ONU e é muitas vezes classificada de "narcoestado".

    Atualmente, essa ex-colônia portuguesa atravessa uma fase de transição política após o golpe militar de abril de 2012. As eleições, inicialmente marcadas para novembro, foram adiadas.

    Ramos-Horta defendeu ainda que o Brasil crie uma televisão internacional semelhante à Al Jazeera, do Qatar, que ele vê como uma experiência bem-sucedida por conseguir projetar o país no exterior.

    "Eu gostaria de ver uma televisão dinâmica da CPLP, não só em português, mas em várias línguas", afirmou. "O Brasil é que tem esse potencial e saber fazer televisão."

    A CPLP reúne Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

    Ramos-Horta recebeu o Nobel da Paz em 1996, em reconhecimento ao trabalho em favor de uma solução pacífica da ocupação do Timor Leste pela Indonésia. O país formalizou a independência em 2002.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022