• Mundo

    Wednesday, 10-Aug-2022 12:04:37 -03

    Mundo não aprendeu nada com genocídio de Ruanda, diz ativista

    RODRIGO VIZEU
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM PARIS

    07/04/2014 03h00

    Em uma das cenas do filme "Hotel Ruanda" (2004), o personagem principal, Paul Rusesabagina, comemora ao ver o genocídio no país da África central exibido na televisão -assim, o mundo saberia do horror e interviria.

    Vinte anos após a matança de ao menos 800 mil pessoas da etnia minoritária tutsi pela maioria hutu, o verdadeiro Rusesabagina não exibe o mesmo otimismo. Diz que o mundo não aprendeu nada com Ruanda e que outros genocídios podem ocorrer no futuro, inclusive em seu país.

    Shannon Stapleton/The New York Times
    O ex-gerente e hoje ativista Rusesabagina, que inspirou o filme 'Hotel Ruanda', em 2004
    O ex-gerente e hoje ativista Rusesabagina, que inspirou o filme 'Hotel Ruanda', em 2004

    "Tivemos o genocídio armênio, o Holocausto, os massacres em Ruanda e outras partes da África. Hoje, é a vez do Iraque, da Síria. O mundo fecha os olhos e vira as costas, como se não lhe dissesse respeito", diz Rusesabagina em entrevista à Folha.

    "Constato que a história se repete e nunca se faz nada. A cada nova matança, o mundo diz 'nunca mais'. Será que quer dizer isso mesmo?"

    Em abril de 1994, o hutu Rusesabagina era gerente de um hotel de luxo na capital, Kigali, quando defensores da ideologia extremista Hutu Power tomaram o poder e botaram em prática um plano genocida contra os tutsis.

    Em três meses, um décimo da população do pequeno país, do tamanho de Alagoas, foi assassinada, boa parte a golpes de machete. Hutus que se negassem a "fazer sua parte" também eram alvos.

    Com subornos a membros do governo e das milícias, Rusesabagina manteve a salvo 1.268 pessoas, inclusive sua família. Ele nega se ver como um "Schindler ruandês": "Sou um homem comum que fez o que deveria ser feito".

    Editoria de Arte/Folhapress

    Enquanto o genocídio ocorria, a maioria dos países do Conselho de Segurança se opunha a enviar tropas e ampliar os poderes do pequeno efetivo da ONU em Ruanda.

    "Era um genocídio fácil de interromper; matava-se com machetes e lanças. Mas a comunidade internacional preferiu fugir e abandonar uma nação nas mãos de gangsters", diz Rusesabagina.

    Para ele, a culpa pelo massacre é compartilhada entre os antigos colonizadores belgas, que reforçaram as diferenças étnicas dentro da tática de dividir para conquistar, e os próprios ruandeses.

    "Vimos os belgas medirem nossos narizes e dizerem que hutus não eram tão elegantes e inteligentes como tutsis. E fomos nós, ruandeses, que aceitamos pegar machetes e massacrar nossos amigos."

    Vivendo em Bruxelas com a família desde 1996, Rusesabagina diz que já sofreu um atentado e teve a casa atacada. Foi acusado pelo governo ruandês de financiar rebeldes hutus, o que nega. Teme voltar a Ruanda, onde pisou pela última vez há dez anos, antes do lançamento do filme.

    "Percebi que o filme criaria alguém que pareceria um herói e que o governo ruandês não iria gostar, principalmente por ser hutu. Fui mostrar Ruanda a meus filhos, que deixaram o país muito pequenos. Voltamos à Europa e nunca mais retornamos."

    'PERÍODO DE VINGANÇA'

    Após o sucesso do filme, o ex-gerente de hotel criou a fundação Hotel Rwanda Rusesabagina. Ironicamente, a entidade denuncia o atual governo de Ruanda, chefiado pelo tutsi Paul Kagame, ex-líder dos rebeldes que derrubaram os genocidas hutus.

    Para Rusesabagina, Kagame, no poder há 14 anos, chefia uma "ditadura sem precedentes". Ele diz que o governo persegue e mata opositores, espiona exilados e viola direitos humanos. "As duas últimas décadas foram um período de vingança. Vimos o outro lado da moeda."

    Ele chama o tribunal internacional criado para julgar o genocídio de "catástrofe" e aponta casos de estupros e execuções sumárias de hutus no país, denunciados em 2007 pela Human Rights Watch.

    Embora não aponte na violência contra hutus o mesmo planejamento genocida de 1994, Rusesabagina propõe uma comissão de justiça e reconciliação nos moldes da África do Sul pós-apartheid.

    Para ele, a comissão também deve reconhecer crimes contra a humanidade praticados pelos tutsis, como a morte de milhares de refugiados hutus na vizinha República Democrática do Congo.

    "Ruanda é um vulcão adormecido que pode explodir a qualquer momento. Enquanto a justiça não for feita, o país nunca terá paz", afirma.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022