• Mundo

    Thursday, 28-Oct-2021 18:08:03 -03

    Nascar apoia fim do uso de bandeira confederada, símbolo para muitos fãs

    LUIS FERRARI
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    25/06/2015 11h22

    Rob Carr - 7.out.2007/Associated Press
    A bandeira confederada é um símbolo importante para muitos fãs da NASCAR
    A bandeira confederada é um símbolo importante para muitos fãs da Nascar

    Uma das atividades esportivas que mais movimentam dólares e levam público aos eventos nos Estados Unidos, atrás apenas do futebol americano, as corridas da Nascar estão entre a cruz e a espada. A cruz de Santo André, da bandeira dos confederados, e a espada do departamento de Justiça da Carolina do Sul, que, na esteira do massacre de Charleston, propõe restrições ao uso do símbolo por sua atual conotação racista.

    A bandeira era um símbolo utilizado pelos Estados escravistas do sul do país que se rebelaram durante a Guerra de Secessão (1861-65).

    O debate em torno do uso da bandeira confederada ressurgiu após ela aparecer em diversas fotos do suspeito atirador de Charleston, Dylann Roof. Ele é acusado de invadir uma igreja frequentada por negros e matar nove pessoas. O crime teria sido motivado por ódio racial.

    A polêmica atinge em cheio o coração da base de fãs da principal categoria do esporte a motor nas Américas.

    Fundada em 1947 por Brian France, patriarca da família que até hoje controla o negócio, a Nascar (sigla para National Association for Stock Car Auto Racing) sanciona mais de 1.200 corridas em mais de 30 estados dos EUA e outros países.

    AFP
    Roof exibe bandeira confederada
    Roof exibe bandeira confederada

    Com uma capilaridade única em termos de esporte a motor no planeta, a organização se faz presente desde pequenos certames municipais a eventos grandiosos como a Daytona-500, a "All American Race", cuja repercussão nos EUA rivaliza com as 500 milhas de Indianápolis da internacionalizada Fórmula Indy.

    O fato de a Daytona-500 ser praticamente desconhecida do leigo em esporte a motor não-americano, diferentemente da Indy500, 24 Horas de Le Mans ou GP de Mônaco, diz muito sobre o fenômeno Nascar. São corridas feitas, essencialmente, por americanos e para americanos.

    A categoria cultua sua origem fora da lei, honrando os pioneiros pilotos, que eram também contrabandistas de licor nas Carolinas do Sul e do Norte, vide "o último herói americano", de Tom Wolfe.

    Foi também o último bastião da indústria do tabaco. Hoje o principal certame nacional leva direitos de uso de nome de uma operadora de telefonia celular, Sprint. Mas até mesmo na caricata versão infantil dos filmes da série "Carros", o campeonato é chamado "Piston Cup", o que remete a "Winston Cup", nomenclatura que a competição teve entre 1972 e 2003, em alusão à marca de cigarros então patrocinadora.

    A presença do público nas corridas é um dos principais ativos da Nascar, com as reservas para as áreas no centro do circuito oval apresentando meses de fila de espera em alguns autódromos.

    Nessas áreas, a bandeira confederada é figura carimbada –às vezes hasteada acima inclusive do estandarte nacional.

    Não por acaso, na tarde de ontem, a Nascar emitiu uma nota oficial sobre o símbolo. Entre a cruz e a espada, exortou os fãs deixarem para trás o símbolo confederado –ao mesmo tempo em que reafirmou que encara a liberdade de expressão como um direito garantido a todos os cidadãos.

    Leia abaixo a íntegra da nota oficial:

    *

    _Enquanto continuamos a lamentar as mortes trágicas da semana passada em Charleston, nós nos juntamos à nação no acolhimento das pessoas afetadas. A Nascar apoia a posição sobre a bandeira confederada manifestada na segunda-feira (22) pela governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley

    Como nossa indústria trabalha coletivamente para garantir que todos os fãs sejam bem-vindos nas nossas corridas, a Nascar continuará com a sua política de banir o uso da bandeira confederada em qualquer estabelecimento oficial da Nascar.

    Reconhecendo que a liberdade de expressão é um direito inerente a todos os cidadãos, nós continuaremos a batalhar por um ambiente inclusivo em todos nossos eventos.

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021