• Mundo

    Friday, 20-Sep-2019 02:49:51 -03

    Itália enviará missão de negócios ao Brasil após impeachment, diz premiê

    MARIA CRISTINA FRIAS
    COLUNISTA DA FOLHA
    ISABEL FLECK
    DE SÃO PAULO

    07/08/2016 02h00

    O primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, 41, diz que respeita o processo de impeachment no Brasil e que prepara uma grande missão comercial para quando ele acabar.

    "Lógico que estamos prontos para quando o processo chegar ao fim. No dia seguinte, estaremos na linha de frente para trabalhar com os amigos brasileiros", afirmou na primeira visita ao Brasil de um premiê italiano em cerca de dez anos.

    "A estabilidade, no entanto, é a condição para podermos pensar o futuro."

    Renzi negou que exista na Itália um pedido de asilo político ao ex-presidente Lula. "Não há nada em discussão sobre Lula. A única questão aberta é Cesare Battisti. Continuaremos a pedir às autoridades brasileiras a máxima cooperação para chegar à sua extradição", disse. "Vamos ver que avaliações o governo [Temer] fará."

    A seguir, trechos da entrevista exclusiva concedida em São Paulo na quinta-feira (4).

    Fabio Braga/Folhapress
    SAO PAULO, SP, BRASIL, 04-08-2016: XXXXXXX. Entrevista com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, que vem ao Brasil para a abertura das Olimpiadas. (Foto: Fabio Braga/Folhapress, MUNDO)***EXCLUSIVO***.
    O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, em entrevista à Folha durante visita ao Brasil

    Folha - Como o sr. vê a mudança política no Brasil e as relações bilaterais no governo Michel Temer?

    Matteo Renzi - Eu não posso entrar no debate político brasileiro. Eu respeito o processo brasileiro. Lógico que estamos prontos para, quando chegar ao fim esse processo no Parlamento, trazer uma grande missão italiana para o Brasil até novembro. Vamos esperar que termine esse processo presidencial e, no dia seguinte, estaremos na linha de frente para trabalhar com os amigos brasileiros.

    Empresários italianos dizem que multinacionais esperam essa decisão para investir. Essa é também a sua impressão?

    Sim, a estabilidade política é o pressuposto para os investimentos econômicos. Todos os que fizeram investimentos aqui acreditam nas perspectivas do país, mesmo num momento de maior dificuldade.

    Há alguma possibilidade de que o governo italiano conceda asilo político ao ex-presidente Lula?

    O presidente Lula, a meu ver, foi um grande presidente do Brasil, uma referência para vários políticos. Muitas pessoas saíram da pobreza durante o seu governo, então acho que a história será muito gentil com ele. Mas o sistema do Brasil, com a sua autonomia, vai realizar as suas investigações e avaliações.

    Os pedidos de asilo de políticos que saíram na imprensa são inexistentes, não estão nem sendo discutidos.

    Tivemos um problema judicial com o Brasil que persiste. Diz respeito ao nosso cidadão [Cesare] Battisti, e continuaremos a pedir às autoridades brasileiras total cooperação para chegar à sua extradição. É a única questão aberta entre Itália e Brasil.

    O sr. acredita que ela poderá ser revista no governo Temer?

    Respeito a magistratura brasileira. Não há nenhum pedido ou questão aberta sobre Lula, a única questão é Battisti. Veremos que avaliações o governo [Temer] fará.

    O sr. tratou com o governo brasileiro sobre o tema?

    É uma questão histórica, aberta já há muito tempo.

    Fabio Braga/Folhapress
    SAO PAULO, SP, BRASIL, 04-08-2016: XXXXXXX. Entrevista com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, que vem ao Brasil para a abertura das Olimpiadas. (Foto: Fabio Braga/Folhapress, MUNDO)***EXCLUSIVO***.
    O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, 41, em entrevista à Folha durante visita ao Brasil

    O sr. já declarou que o Reino Unido deveria deixar o bloco europeu rapidamente. Quão veloz pode ser a saída?

    O quanto antes, melhor. O que não podemos permitir é a incerteza. Acredito que a saída do Reino Unido será iniciada formalmente no fim deste ano, no início de 2017. Porém, acho importante que a Europa se mexa, e é por isso que no dia 22, na Itália, vou acolher François Hollande [presidente francês] e Angela Merkel [chanceler alemã] para discutirmos de que forma escrever o futuro da Europa.

    O que a Itália fará para atrair empresas que agora querem sair do Reino Unido?

    Simplificação burocrática e, a partir do próximo ano, redução de impostos. Mas é preciso, sobretudo, um projeto de país mais simples. A Itália é um país forte, mas muito complicado pela burocracia.

    Algo mais será feito para aprimorar as leis trabalhistas?

    Já fizemos a reforma do mercado de trabalho e, do seu primeiro dia em vigor até hoje, ela gerou 599 mil empregos a mais. Com a nova lei, o sistema italiano é o mais simples da Europa.

    Editoria de Arte/Folhapress

    Qual o impacto dos ataques terroristas na resposta da Europa à crise de refugiados?

    A meu ver, não há vínculo direto entre terrorismo e refugiados. Os atentados foram feitos por pessoas que cresceram na Europa e se radicalizaram. Há uma questão sobre como a Europa enfrenta o problema das periferias, da radicalização, e de como a Europa deve reagir.

    A questão dos refugiados tem de ser gerenciada melhor. Temos que dar asilo a quem arrisca a vida, repatriar aqueles que não podem permanecer na Europa, fazer acordos de cooperação internacional na África. Os demagogos e populistas na Europa dizem que os terroristas são os refugiados. Não é assim.

    Naturalmente, temos de garantir a segurança. Uma lei na Itália [um dos países europeus que mais recebe refugiados] prevê, desde 2015, que, para cada euro investido em segurança e controle militar, devemos investir € 1 em educação e escolas.

    Não podemos viver num estado de polícia. Temos de cuidar da segurança, mas também investir em cultura e diversão. Este será um tema da presidência italiana na reunião do G-7, no ano que vem, na Sicília.

    O sr. declarou que renunciará se a reforma constitucional proposta em referendo [que deve ocorrer em outubro e prevê desinflar o sistema político] não for aprovada. Há plano B? O referendo pode beneficiar o Movimento 5 Estrelas, como ocorreu em Roma?

    As eleições locais são sempre uma história à parte. O 5 Estrelas venceu em Roma, mas perdeu em Milão. Ganhou em Turim, mas perdeu em Bolonha, Nápoles. Eu represento uma nova geração, tenho 41 anos. Quando assumi, era o mais jovem da história italiana no cargo, com o governo mais compacto e o maior número de mulheres —começamos com 50/50.

    O referendo é importante porque reduz o número de políticos, gera estabilidade aos governos. Em 70 anos, a Itália mudou 63 vezes de governo. Ele permite dar à Itália um país mais simples.

    O eleitor do 5 Estrelas gosta de reduzir os custos da política. Mas os senadores do 5 Estrelas, que temem pelo próprio assento —porque [a reforma] reduz um terço dos parlamentares—, vão votar "não". Finalmente, os italianos poderão reduzir os custos da classe política e ter na Itália um projeto nacional.

    O que realmente mudou na Itália após a operação Mãos Limpas, semelhante à Lava Jato em curso no Brasil?

    É muito difícil responder.

    Uma geração inteira aproximou-se da política com fome de justiça. Eu, um jovem simples de Florença, decidi estudar direito, e não ciência política ou medicina, porque todos os dias eu via o meu país em dificuldade na questão da Justiça. Fizemos regras mais duras contra a corrupção, temos uma autoridade nacional anticorrupção, dirigida por um juiz que trabalhava no caso da máfia Camorra. Fizemos muitíssimo, mas é necessário manter altas a vigilância e a atenção.

    Não podemos achar que a legalidade deva ser defendida só por magistrados. Os cidadãos têm que fazer a sua parte também.

    Qual o seu palpite para as medalhas da Itália no Rio?

    Não se pode dizer... no futebol, vou torcer para o Brasil, mas só porque a Itália não se classificou [ri]. Pedi aos atletas italianos: consigam uma medalha antes de eu voltar. Mas vamos nos divertir. Na Grécia, os Jogos eram o momento em que parava a guerra. Que da Olimpíada no Rio chegue uma mensagem de valores universais é a prioridade.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019