• Mundo

    Tuesday, 25-Feb-2020 22:48:33 -03

    Acordo de paz histórico entre governo colombiano e as Farc é assinado

    SYLVIA COLOMBO
    ENVIADA ESPECIAL A CARTAGENA

    26/09/2016 19h39 - Atualizado às 20h49

    Juan Pablo Bello/Presidência da Colômbia/Xinhua
    Juan Manuel Santos cumprimenta o líder das Farc "Timochenko" após assinatura do acordo, em Cartagena
    Juan Manuel Santos cumprimenta o líder das Farc "Timochenko" após assinar acordo, em Cartagena

    Logo após uma tempestade que deixou algumas ruas do centro histórico de Cartagena semi-alagadas, teve início às 17h (19h em Brasília) a cerimônia de assinatura do tratado de paz entre o governo colombiano e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

    O local escolhido foi o centro de convenções da cidade, mas do lado de fora, aberto ao público. A praça diante do local estava tomada.

    No palco, alguns dos mandatários latino-americanos convidados, entre eles Michelle Bachelet (Chile) e Nicolás Maduro (Venezuela) –ambos países observadores do processo–, Mauricio Macri (Argentina), Pedro Pablo Kuczynski (Peru), Rafael Correa (Equador), Enrique Peña Nieto (México) e Horacio Cartes (Paraguai), além do mandatário colombiano, Juan Manuel Santos, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, e o líder das Farc, Rodrigo "Timochenko" Londoño.

    Todos, no palco e na audiência, vestiam branco, como pedido pelo protocolo da cerimônia.

    Depois de um minuto de silêncio dedicado às mais de 250 mil vítimas do conflito, iniciado há 52 anos, houve apresentação de cantores populares e a execução do hino nacional colombiano.

    Na sequência, "Timochenko" se aproximou da mesa onde estava o texto do acordo e o assinou primeiro. Na sequência, foi a vez do presidente Juan Manuel Santos, levando a multidão presente aos aplausos. Na audiência, algumas pessoas choravam, outras faziam acenos com lenços brancos.

    Após a assinatura, o líder guerrilheiro colocou em sua camisa um broche com uma pomba da paz na camisa, e os dois se cumprimentaram.

    "Timochenko" disse "que ninguém duvide que entraremos na política sem armas, para conquistar mentes e corações". E encerrou sua fala pedindo uma "paz negociada para os conflitos em Israel, na Síria e no mundo inteiro".

    Ele levantou o público no momento em que disse, em tom mais alto: "Nós das Farc pedimos perdão pela dor que causamos".

    Depois, Santos afirmou que o pacto era "mais do que um acordo entre um governo e uma guerrilha, e sim uma demonstração de que os colombianos definitivamente não querem mais nenhum tipo de guerra, que foi um freio ao desenvolvimento da Colômbia", ao que foi acompanhado por um coro de "não mais guerra".

    O acordo foi assinado com um "balígrafo" (uma brincadeira com a palavra "caneta" em espanhol, que é "bolígrafo"), ou seja, uma caneta fabricada com balas de fuzil, que virou uma espécie de símbolo das negociações entre as duas partes.

    A assinatura do acordo, porém, não significa que ele será imediatamente implementado. Agora, terá de ser aprovado em um plebiscito no próximo domingo (2).

    Mais cedo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, havia dito que seu país "ainda não estava pronto" para retirar as Farc de sua lista de organizações terroristas, mas que o assunto seria avaliado de acordo com a implementação do acordo.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020