• Mundo

    Sunday, 16-Jun-2019 09:54:32 -03

    Uso de imagem de 'voos da morte' por supremacistas choca Argentina e Chile

    SYLVIA COLOMBO
    DE BUENOS AIRES

    18/08/2017 02h00

    Entre os vários símbolos com os quais desfilaram os manifestantes neonazistas e supremacistas brancos durante as polêmicas manifestações em Charlottesville, nos Estados Unidos, no último fim de semana, um deles provocou especial impacto na Argentina e no Chile.

    O Hatewatch, organização que analisa crimes motivados pelo ódio, foi um dos primeiros a apontar, mas também é possível ver no pequeno documentário da "Vice" que acompanhou os neonazistas antes e durante o protesto: vários manifestantes apareceram em imagens usando camisetas que faziam referência aos "voos da morte" chilenos e argentinos.

    Reprodução/Vice
    Manifestante usa camiseta que alude aos 'voos da morte' em protesto de supremacistas nos EUA
    Manifestante usa camiseta que alude aos 'voos da morte' em protesto de supremacistas nos EUA

    As imagens mostram um helicóptero no ar durante voo e um homem, marcado pelo símbolo comunista da foice e do martelo, caindo.

    Trata-se de uma referência a um dos métodos usados durante a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990), no Chile, de eliminar opositores, atirando-os de helicópteros durante o voo.

    Durante a gestão Ricardo Lagos (2000-2006), uma investigação judicial concluiu que ao menos 120 pessoas foram jogadas por helicópteros do Exército chileno no oceano Pacífico.

    Mesma prática foi usada na Argentina durante o regime militar (1976-1983). Prisioneiros eram sedados e atirados de aviões no Rio da Prata.

    Atualmente, há cinco ex-oficiais da época cumprindo pena por esses crimes. Organizações de direitos humanos estimam que cerca de 5.000 pessoas desapareceram assim na Argentina.

    As camisetas usadas pelos manifestantes nos EUA estavam à venda na Amazon até a tarde de quarta-feira (16), quando foram identificados por ativistas e pessoas em desacordo com sua comercialização, que começaram a denunciá-las nas redes sociais.

    Logo, o link da loja para o item passou a dar mensagem de erro, indicando que a Amazon os havia tirado do ar.

    A empresa não deu declarações a respeito. As camisetas, porém, ainda podem ser encontradas em outros sites de vendas, como o eBay.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019