• Poder

    Sunday, 23-Jun-2024 19:10:46 -03

    Região da Amazônia é o 'faroeste brasileiro', diz pastoral

    KÁTIA BRASIL
    DE MANAUS

    31/05/2011 09h53

    A região onde fazem divisa os Estados do Amazonas, Rondônia e Acre se tornou um "faroeste brasileiro", onde grileiros e pistoleiros se aproveitam da ausência estatal para agir impunemente, segundo a CPT (Comissão Pastoral da Terra).

    Polícia prende suspeito de matar líder sem-terra em Rondônia
    Governo libera verba para conter conflitos agrários

    É nessa área que o governo federal estuda criar uma Alap (Área sob Limitação Administrativa Provisória) após a morte de quatro lideranças agrárias na última semana.

    A situação é mais crítica no sul do município amazonense de Lábrea (880 km de Manaus). Desde 2006, quatro líderes de assentamentos do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) foram assassinados no local. Três ainda não tiveram o autor identificado.

    A localização geográfica dessa região da Amazônia, que fica próxima da fronteira brasileira com a Bolívia, também auxilia os criminosos a permanecer impunes.

    Outros dez líderes comunitários da região estão ameaçadas de morte.

    "O sul de Lábrea se tornou um faroeste brasileiro. [Se] você denuncia, você é morto", afirma Marta Cunha, coordenadora da CPT, órgão ligado à Igreja Católica.

    ESCOLTA

    Mesmo o Ibama só realiza operações de fiscalização no sul de Lábrea acompanhado de escolta policial.

    O clima é de tensão também na sede do município. No ano passado, o órgão retirou duas analistas ambientais da cidade por causa de ameaças de políticos, madeireiros e grileiros.

    "Infelizmente vai ficar pior com o novo Código Florestal [que depende de aprovação do Senado] porque quem degradou vai ser anistiado. Nos resta uma sensação de impunidade, de que este é um país sem lei", afirma Mário Lúcio Reis, superintendente do Ibama do Amazonas.

    A reportagem da Folha procurou o governo do Amazonas para falar sobre a situação do sul de Lábrea, mas não obteve retorno até a conclusão desta edição.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024