• Poder

    Saturday, 07-Dec-2019 13:05:40 -03

    Quilombo Mandira sobrevive com o cultivo de ostras no litoral sul de SP

    ALBA SANTANDREU
    DA EFE

    13/02/2014 11h56

    Mais de um século depois do fim da escravidão no Brasil, os quilombos enfrentam o presente através da implantação de negócios sustentáveis, como o cultivo de ostras, enquanto continuam evocando o passado com tradições.

    Protegido pela Mata Atlântica, o quilombo Mandira fica em Cananeia (a 256 de São Paulo), no qual há 146 anos vivem nove gerações afrodescendentes da mesma família.

    Dedicado tradicionalmente ao cultivo de arroz, palmito e madeira, a comunidade, fundada no século 19 pelo filho bastardo de um fazendeiro e sua escrava, se viu obrigada décadas atrás a buscar novas fontes de sobrevivência devido à perda progressiva de suas terras.

    Fonte inesgotável de recursos, os moradores de Mandira se dedicam há três décadas ao cultivo de ostras como forma de sustento da comunidade: um árduo e minucioso trabalho que aliam ao turismo ecológico e aos trabalhos de costura.

    CULTIVO DAS OSTRAS

    No meio da floresta, o trabalho se centra na captura e cultivo de ostras nos mangues localizados entre a foz do Rio Ribeira de Iguapé e o oceano Atlântico, cuja maré, a 10 km de distância, marca o dia dos coletores.

    Quando o nível do mangue baixa, os moradores de Mandira saem com seus barcos, a maioria sem remo, para coletar as ostras. As mulheres costuram em uma pequena sala e outras preparam a comida, na maioria de dias baseada em arroz, feijão e peixe.

    As atuais temperaturas da região, próximas dos 35° C, combinadas à umidade quase total que emana do mangue, põe aos coletores de ostras frente a dias de trabalho de alta exigência física. Depois de recolhidas, as ostras são enviadas à Cooperativa Cooperostra, formada por 20 associados membros da comunidade, encarregados de limpar e distribuir pessoalmente o marisco aos bares e restaurantes das principais cidades do Estado.

    "A ostra é nossa principal fonte de renda, embora também estejamos centrados no turismo sustentável. Pegamos as ostras, deixamos nos viveiros para engordar e depois comercializamos", explicou Chico Mandira, sobrinho do líder da comunidade, Federico Mandira, impulsor da atividade na região.

    Os quilombolas conseguem um lucro entre R$ 3 e R$ 5 pela venda de 12 ostras, enquanto seu preço para venda ao cliente nos restaurantes varia entre R$ 30 e R$ 150. Além do cultivo das ostras, os Mandira também trabalham pela preservação da memória histórica dos antepassados e por manter viva a contribuição da população negra.

    "Nos meus documentos, sou classificado como mulato, mas me considero negro, e é isso que eu passo para a minha família", disse Chico, pai de sete filhos, cinco dos quais vivem na aldeia e se dedicam ao cultivo de ostras.

    O Estado de São Paulo conta com 28 quilombos reconhecidos, nos quais vivem cerca de 1.300 famílias. "Os Mandira podem se casar com brancos, índios ou japoneses. Mas a verdade é que se alguém quer viver aqui tem que se casar com alguma pessoa da comunidade", explicou Chico.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019