• Poder

    Tuesday, 25-Jun-2024 18:16:54 -03

    Comissão da Verdade deixa uma grande mágoa, diz general

    MARCO ANTÔNIO MARTINS
    DE DO RIO

    19/12/2014 02h00

    Ricardo Borges - 18.dez.2014/Folhapress
    O general Gilberto Pimentel, presidente do Clube Militar
    O general Gilberto Pimentel, presidente do Clube Militar

    Desde a divulgação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade, o general Gilberto Pimentel, 74, presidente do Clube Militar, protesta contra o documento. "Está contaminado", diz.

    Em entrevista à Folha, o militar da reserva garante que as Forças Armadas não pensam em voltar ao poder e discorda de se ligar os generais à prática de torturas.

    *

    O que o sr. achou do trabalho da Comissão da Verdade?

    A comissão tinha o objetivo restabelecer a memória, a história, a verdade. O relatório final mostra que a comissão está contaminada ideologicamente. Todos simpatizantes da esquerda, aquele pessoal que agiu em 1964.

    Os componentes deveriam ser historiadores. Deu no que deu. A comissão falhou na intenção de cooperar para a conciliação nacional. Eles deixam uma grande mágoa.

    O relatório foi direcionado?

    A lista nomeou todos os presidentes, todo aquele pessoal que trabalhou como ministro das Forças, generais da área de inteligência. Não foi imparcial. Incrimina nossos instrutores nas escolas. Gente como o brigadeiro Eduardo Gomes, patrono da Força Aérea. Colocou o Castelo Branco, que era um legalista.

    A tese da comissão é que os dirigentes militares tinham conhecimento das torturas.

    Você vê hoje a dificuldade da presidente Dilma em caracterizar a responsabilidade da presidente da Petrobras [Graça Foster] no escândalo que envolve a empresa. A Petrobras me parece contaminada, mas ela acha que a presidente não tem culpa. Por que os militares teriam?

    Mas não houve tortura?

    A luta armada de 1964 teve excesso dos dois lados. Imaginar que a tortura fosse institucionalizada é exagero. A nossa formação não admite isso. Foi um período de exceção, de Guerra Fria. Agora é que essa coisa está terminando, com a paz entre Cuba e EUA.

    E o que aconteceu?

    Aquilo foi uma luta, que espero que nunca mais se repita no Brasil. Não teve nenhum santo do lado de lá. O que eles desejavam era implantar uma ditadura comunista no Brasil, e houve uma reação das Forças Armadas. E essa reação apenas surgiu depois que a imprensa e a sociedade nos pressionaram. Se você ler os jornais da época, todos pediam que impedíssemos que nosso país se tornasse uma ditadura do proletariado.

    Foram aí os excessos?

    O terrorismo começou no em 1966, com o atentado no aeroporto de Guararapes. Aquilo foi uma luta, uma guerra. Com toda a oposição que temos contra o governo dos presidentes Lula e Dilma, reconhecemos que foram eleitos e respeitam a democracia. Diferente de 64 quando o presidente [João Goulart] queria subverter a ordem.

    O sr. é a favor do retorno dos militares ao poder?

    É evidente que a nossa experiência mostrou que isso não é uma solução para o país. Não se pode viver sob o regime militar. É ao governante civil que cabe conduzir o país. Nossa função é outra. O que aconteceu em 1964 foi uma exceção. Agora, os governantes precisam ter juízo.

    Como assim juízo?

    É preciso ter critério neste desejo do governo em ajudar as classes mais pobres do país. Você não pode simplesmente, no desejo do populismo, não pensar em um planejamento que torne a pessoa independente. Vemos isso com restrição. Nos preocupa ainda a ligação do país com os seus vizinhos. Quem diz que a Venezuela é uma boa companhia para a gente?

    Quem seria boa companhia?

    Devem ser os países da América do Sul e as grandes potências, como os EUA. Cuba não é uma boa companhia para o Brasil. É uma ditadura. De repente, os nossos governantes têm uma simpatia especial com eles. Por que os médicos que vem ao Brasil precisam ser de Cuba?

    A Anistia deve ser revisada?

    Não. Se você mexe nela, você desmoraliza um acordo. Ela deve ser ampla e irrestrita. Uma das razões de nós termos restrições à Comissão da Verdade é que o final do filme é derrubar a Anistia. Eles querem rever a lei para levar aos tribunais os agentes do Estado. Só de um lado. O outro lado está perdoado e indenizado. Agora, querem ver os militares nos tribunais.

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024