• Poder

    Sunday, 09-Dec-2018 20:26:09 -02

    MBL e defensores de intervenção militar trocam vaias em protesto

    GIBA BERGAMIM JR.
    DIÓGENES CAMPANHA
    DE SÃO PAULO

    15/03/2015 18h59

    Os defensores do regime militar deixaram a avenida Paulista sob vaias de entusiastas do Movimento Brasil Livre (MBL).

    Enquanto o primeiro, formado pelo grupo SOS Forças Armadas, prega a volta da ditadura, o segundo prega o impeachment de Dilma, mas por meio do processo democrático.

    "Chega desse discurso fácil de intervenção militar. Aqui é democracia", disse Renan Santos, do MBL, ao público.

    Já uma faixa no carro do SOS Forças Armadas chamava de "otários" os manifestantes pró-impeachment.

    "Otário pede impeachment. Patriota exige intervenção constitucional", dizia o cartaz.

    Os carros de som dos dois grupos ficaram quase frente a frente durante o protesto.

    Mas por volta das 17h, o SOS deixou o ato, sob vaias do outro grupo.

    Quem cercava o ato do MBL gritou "fora", após discursos inflamados contra os defensores do regime militar.

    "Não precisamos de vocês", disse Renan, enquanto o carro saía. As vaias aumentaram.

    Depois da saída dos defensores da intervenção militar, os integrantes do MBL falaram durante mais de uma hora sobre como derrubar a presidente Dilma por meios legais, como o impeachment.

    Pouco antes de encerrar, Renan Santos anunciou que o próximo ato será em 12 de abril. Disse que o MBL vai se distanciar de partidos políticos. "queremos que eles [partidos] sejam pautados pela nossa agenda."

    Ele que discursou pedindo o impeachment e também atacou o PSDB, chamando Aécio Neves (MG), presidente nacional do partido, de "líder de merda" e o senador José Serra (PSDB-SP) de "arrogante".

    Editoria de Arte/Folhapress

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018