• Poder

    Saturday, 16-Oct-2021 06:40:26 -03

    'País iria quebrar', diz liderança do DEM sobre apoio a ajuste de Dilma

    RANIER BRAGON
    DE BRASÍLIA

    07/05/2015 11h55

    Joel Rodrigues/Frame - 28.abr.15/Folhapress
    O líder do DEM, Rodrigo Maia (DEM-RJ, à dir.) em reunião com Michel Temer sobre reforma política
    O ex-presidente do DEM Rodrigo Maia (à dir.) em reunião com Michel Temer (centro) sobre reforma política

    Ex-presidente do DEM –um dos principais partidos de oposição ao governo– e crítico contumaz dos mais de 12 anos da gestão do PT no Palácio do Planalto, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que votou a favor do pacote de ajuste fiscal de Dilma Rousseff porque o país, em sua visão, iria imediatamente para o buraco caso a medida fosse rejeitada pela Câmara.

    "O Brasil iria quebrar hoje", afirmou o deputado, filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia, na manhã desta quinta-feira (7). Ele afirma que, além disso, quis garantir um voto de confiança ao ministro Joaquim Levy (Fazenda) e ao vice-presidente Michel Temer (PMDB), que, segundo ele, são quem de fato comandam a nação atualmente.

    O primeiro item do ajuste fiscal foi aprovado na noite desta quarta-feira (6) por estreita margem no plenário da Câmara: apenas 25 votos de vantagem.

    Por 252 votos a 227, os deputados federais aprovaram a medida provisória 665, que traz como principal medida o aumento do tempo de trabalho para que a pessoa requeira pela primeira vez o seguro-desemprego: de seis para 12 meses. O governo queria originalmente 18 meses, mas foi obrigado a recuar.

    O DEM deu 8 de seus 22 votos para o governo, apesar da comandar uma ferrenha oposição ao projeto. O inusitado apoio se deu após negociação que teve a participação de Temer, o articulador político do governo, e do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

    *

    FOLHA - Por que o sr. votou a favor do pacote fiscal de Dilma?
    RODRIGO MAIA - Por que se a MP fosse rejeitada o Brasil iria quebrar hoje. Não é uma questão de governo e oposição. A gente vive no Brasil, e as contas públicas estão sob descontrole. Se não se fizer nada, daqui a pouco vamos chegar à situação da Espanha, de Portugal.

    Com uma curva de R$ 36 bilhões de gasto no seguro-desemprego, daqui a pouco não ia ter dinheiro para pagar o seguro para aquelas pessoas que efetivamente precisam. Então se faz um ajuste para que pessoa que fica desempregada não receba mais da pessoa que está empregada. Com a situação de ontem, a pessoa para ficar em casa três meses ganha mais do que ganha trabalhando. Então não está tirando nada, está se fazendo o que é justo. Então votei com convicção de que, infelizmente, o governo foi muito tímido. Precisamos de coisas muito mais importantes e muito mais difíceis de serem votadas do que esses pequenos ajustes na MP.

    [Em caso de rejeição da MP] Hoje o dólar ia estar a R$ 4, R$ 5. A perspectiva do Brasil de recuperação, de um ano, ia ser para daqui três anos. E ia perder um quadro que eu tenho convicção de que a Dilma e o PT pensam diferente dele, e ele pensa muito mais parecido do que eu penso. Eu quis garantir na verdade um voto de confiança ao ministro da Fazenda [Joaquim Levy] e ao presidente Michel Temer, muito mais do que um voto de confiança a ela [Dilma], até porque ela não participa de mais nada disso, a articulação é do Michel Temer e o comando dele, Joaquim Levy. E o Joaquim tem muita convergência com um partido como o nosso, que tem uma linha mais liberal na economia.

    Apesar dessa convicção, não fica um constrangimento em votar em consonância com quem vocês sempre criticaram?
    Não fiquei. Não há ajuste fiscal aqui, aqui há reorganização de distorções criadas e deixadas pelo próprio governo para reeleger a Dilma. Não tenho nenhum constrangimento de ter votado, dando um voto de confiança ao ministro Joaquim Levy. Tenho certeza de que tomei a posição correta. O resultado da votação mostrou isso, que infelizmente o PT, meio perdido, não consegue defender nem aquilo que é simples de ser defendido.

    Vocês se encontraram com Michel Temer?
    Encontro com o Michel Temer toda semana quase, há muitos anos. Outros deputados, do governo e da oposição, tiveram com o Temer. É natural que o coordenador do governo explique as medidas aos deputados que tenham intenção de votar e os convença ou não a votar. Certamente alguns ele chamou e não convenceu, até porque o resultado foi muito aquém do que o governo esperava. O estranho é votar algo do qual você não esteja convencido. Eu, por exemplo, há um mês fiz um jantar para o Joaquim Levy com quatro ou cinco deputados da bancada para que ele tivesse o direito de convencer alguns, para explicar qual é a situação do Brasil, que é muito ruim.

    Houve participação do prefeito de Salvador nessa articulação?
    O prefeito de Salvador tem uma cabeça liberal na economia, como a gente. E ele endente que a derrota do ajuste fiscal, das medidas provisórias, dessa correção fiscal, ela iria gerar uma tremenda dificuldade para a Prefeitura de Salvador. A arrecadação de Salvador já está caindo 4%, 5%, real. Se esse ajuste não passa, a arrecadação vai cair 10%, real, toda a economia que ele fez nos dois primeiros anos vai embora no final deste ano. Então não é uma questão "ah, eu tenho interesse de salvar a Dilma". Não é, tenho interesse em salvar os brasileiros.

    Editoria de Arte/Folhapress

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021