• Poder

    Sunday, 03-Mar-2024 09:46:53 -03

    Lava Jato

    PF prende presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez na Lava Jato

    FLÁVIO FERREIRA
    ENVIADO A CURITIBA
    BELA MEGALE
    DE SÃO PAULO

    19/06/2015 07h32

    A Polícia Federal prendeu na manhã desta sexta (19) os presidentes da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

    Mais dez executivos foram presos. O último preso a ser detido, o ex-diretor da Andrade Gutierrez Paulo Roberto Dalmazzo, se entregou por volta das 19h30 em Curitiba, na superintendência da PF. Ele não conversou com a imprensa.

    Os detidos em São Paulo já deixaram a sede da PF em São Paulo. Eles serão transferidos para Curitiba (PR).

    Marcelo Odebrecht foi preso em sua casa, no Morumbi (região oeste de São Paulo), onde policiais federais também cumpriram mandados de busca e apreensão. Ele, que faz parte da terceira geração da família que dá nome à empreiteira –a maior do país; a Andrade Gutierrez é a segunda–, foi apontado por diversos delatores como um dos líderes do cartel de empresas que participavam do esquema da estatal.

    O juiz federal Sergio Moro citou no mandado de prisão que há prova material de pagamento de propina "no qual consta expresso o nome da Odebrecht como responsável pela transação".

    Ele cita um suborno de US$ 300 mil para Pedro Barusco, feito em setembro de 2013, por uma empresa do Panamá chamada Constructora Internacional Del Sur, que o juiz liga à Odebrecht –a empreiteira sempre refutou que fosse a controladora dessa firma.

    Ainda segundo o juiz, três delatores (Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e Alberto Youssef) "relacionaram esses depósitos da Constructora Internacional del Sur à Odebrecht".

    Contra Azevedo pesa uma transferência para ele de R$ 500 mil Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano –e apontado pelos investigadores da Lava Jato como intermediador de propinas para ex-diretores da Petrobras e integrantes do PMDB.

    14ª fase da Opereção Lava-Jato - Crédito: Editoria de Arte/Folhapress

    Em São Paulo também foram presos outros três executivos da construtora: Márcio Faria, Alexandrino Costa e Rogério Araújo. A PF também prendeu Paulo Dalmazzo e Antonio Pedro, da Andrade Gutierrez.

    Faria já havia sido citado por delatores da Lava Jato como envolvido no esquema de corrupção na Petrobras. O Ministério Público Federal também aponta, em denúncia contra a Camargo Corrêa que ele é um dos líderes do cartel, ao lado do dono da UTC, Ricardo Pessoa.

    O executivo já tinha sido alvo de busca e apreensão durante a sétima fase da Lava Jato, em novembro do ano passado.

    O nome dele ainda foi citado em depoimento à Justiça do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que reconheceu ter recebido dinheiro da Odebrecht..

    Araújo foi alvo de delação do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que afirmou à Polícia Federal ter recebido cerca de US$ 1 milhão de propina da Odebrecht por meio de contas no Panamá. Segundo Barusco, Araújo foi quem operou o pagamento. Ainda estão em andamento medidas de busca e apreensão na empreiteira e nas casas dos executivos.

    A nova fase da Lava Jato foi denominada "Erga Omnes", expressão em latim que significa "para todos" –em direito, designa a ação que vale para todos os cidadãos, mesmo que não tenham ingressado em juízo.

    Em março, ao comentar vazamentos de informação da Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse : "Se alguém, mesmo que seja do PT, praticou qualquer ato de corrupção, ele tem de ser punido. Portanto, nós participamos do pressuposto de que a lei vale para todos".

    Eduardo Knapp - 28.ago.2014/Folhapress
    O empresário Marcelo Odebrecht, dono da construtora, preso nesta sexta (19), em seu escritório
    O empresário Marcelo Odebrecht, dono da construtora, preso pela Polícia Federal

    OUTRO LADO

    A Odebrecht confirmou que foram cumpridos mandados de busca e apreensão em seus escritórios em São Paulo e no Rio de Janeiro e "alguns mandados de prisão e condução coercitiva".

    "Como é de conhecimento público, a CNO [Construtora Norberto Odebrecht] entende que estes mandados são desnecessários, uma vez que a empresa e seus executivos, desde o início da operação Lava Jato, sempre estiveram à disposição das autoridades para colaborar com as investigações", afirmou.

    A Andrade Gutierrez informou que presta todo o apoio necessário aos seus executivos nesse momento.

    "A empresa informa ainda que está colaborando com as investigações no intuito de que todos os assuntos em pauta sejam esclarecidos o mais rapidamente possível. A Andrade Gutierrez reitera, como vem fazendo desde o início das investigações, que não tem ou teve qualquer relação com os fatos investigados pela Operação Lava Jato, e espera poder esclarecer todas os questionamentos da Justiça o quanto antes", afirmou.

    Zanone Fraissat - 19.ago.2013/Folhapress
    O empresário Otávio Marques de Azevedo, durante jantar em homenagem ao prefeito Eduardo Paes (PMDB-RJ)
    O empresário Otávio Marques de Azevedo, durante jantar em homenagem a Eduardo Paes (PMDB-RJ)

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024