• Poder

    Thursday, 18-Jul-2019 19:14:19 -03

    Lava Jato

    Em desdobramento da Lava Jato, PF combate exploração ilegal de diamante

    GABRIEL MASCARENHAS
    DE BRASÍLIA

    08/12/2015 09h16 - Atualizado às 11h40

    A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (8) uma operação para reprimir a prática de crimes ambientais ligados à extração de diamantes em áreas indígenas de Rondônia.

    A ação é um desdobramento da Operação Lava Jato, que investiga um escândalo de corrupção na Petrobras. As informações sobre a extração das pedras preciosas foram apuradas durante as investigações contra o doleiro Carlos Habib Chater, dono do posto Torre, em Brasília, que dá nome à Lava Jato.

    Chater foi o primeiro preso na operação que resultou na investigação sobre o escândalo na Petrobras.

    Segundo a PF, empresários, garimpeiros, comerciantes e até indígenas participavam da exploração de diamantes na reserva indígena Parque do Aripuanã, num local conhecido como Garimpo Lage, usufruto de índios da etnia Cinta Larga.

    Estão sendo cumpridos ao todo 90 mandados judiciais no Distrito Federal, em Rondônia, São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, no Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Mato Grosso, Pará e Paraná.

    O escritório Raul Canal Advogados, em Brasília, foi um dos alvos da operação. A empresa seria ligada a Chater, segundo investigadores. Os policiais saíram do escritório com três malotes.

    Os mandados são 11 de prisão preventiva, 41 de busca e apreensão, 35 de conduções coercitivas, além de 3 intimações para comparecimento a oitivas.

    Também foi decretado, pela Justiça Federal, o sequestro de um imóvel e dinheiro encontrado nas contas dos principais investigados para o ressarcimento de possíveis danos ambientais praticados.

    A operação chama-se Crátons, em referência às estruturas geológicas que dão origem à formação dos diamantes.

    "A investigação apurou que uma organização criminosa, formada por empresários, advogados, comerciantes, garimpeiros e até indígenas, era responsável por financiar, gerir e promover a exploração de diamantes no chamado 'Garimpo Lage'", informou a PF.

    Segundo a polícia, foi identificada a participação de uma cooperativa e de uma associação indígena na extração ilegal dos diamantes.

    "Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de extração de recursos minerais sem autorização do órgão competente, dano a unidade de conservação, usurpação de bem da união, receptação, organização criminosa, associação criminosa e lavagem de dinheiro", afirmou ao Polícia Federal.

    COMPARTILHAMENTO

    Esta é a primeira operação da PF realizada a partir do compartilhamento de informações apuradas na Lava Jato.

    Os policiais chegaram à quadrilha que atua em Rondônia a partir do monitoramento de ligações e trocas de emails de dois investigados pelo escândalo de corrupção na Petrobras, entre eles Chater.

    Segundo o delegado Bernardo Amaral, a PF está apurando se o comércio de pedras preciosas era usado na lavagem do dinheiro oriundo do caso de corrupção na petroleira.

    Dentre os 11 mandados de prisão, seis são contra índios. Outros cinco têm como alvo empresários que participavam da quadrilha de exploração de diamantes. Todos estão sendo cumpridos em Rondônia. Até o momento, sete pessoas foram presas.

    Ainda segundo a investigação, a organização criminosa planejava investir R$ 1 milhão no garimpo para lucrar R$ 5 milhões com a atividade ilegal.

    De acordo com Bernardo Amaral, no local haveria seis ou sete jazidas. Uma delas já estava sendo explorada, com 700 garimpeiros trabalhando no local até a deflagração da operação.

    "Mas temos informações de que a quadrilha já tinha identificado a segunda jazida", complementou o delegado.

    A investigação, iniciada no início do ano passado, ganhou força após o compartilhamento das provas da Lava Jato, no meio de 2014.

    A PF identificou, então, que o grupo investiu em compra de maquinário e contratação de mão de obra para explorar a área, uma reserva indígena.

    "Fizemos um sobrevoo na região e constatamos que o garimpo clandestino estava em operação", contou Bernardo Amaral.

    Como é retirado de uma reserva, o diamante encontrado no local não poderia ser comercializado. A PF investiga, porém, se a pedra recebia um certificado, como se tivesse sido explorada em uma área em que a atividade é legalizada.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019