• Poder

    Thursday, 23-Sep-2021 23:51:27 -03

    FHC nunca falou de assunto de filho comigo, afirma ex-senador

    JULIANA COISSI
    DE CURITIBA

    18/02/2016 20h06

    Reprodução/Twitter
    a jornalista miriam Dutra Schmidt, que falou à Folha
    A jornalista Mirian Dutra Schmidt, que falou à Folha

    O ex-senador Jorge Bornhausen, 78, que foi ministro no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (19) que só soube do relacionamento entre o ex-presidente e a jornalista Mirian Dutra Schmidt pelos jornais e que os dois nunca conversaram sobre o assunto. Nega ainda que a tenha ajudado financeiramente.

    Em entrevista à Folha, Mirian afirma que o ex-presidente bancou despesas do seu filho Tomás no exterior por meio de uma empresa, a Brasif S.A. Exportação e Importação. Disse ainda que, no período em que se afastou do ex-presidente depois do nascimento do filho, Bornhausen a ajudou. "Ele era meu amigo", disse Mirian.

    Bornhausen já foi apontado como um dos sócios da Brasif. O ex-senador nega; diz ter sido apenas vice-presidente da empresa entre 1991 e 1992, quando deixou o cargo para assumir o cargo de ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República.

    "O presidente Fernando Henrique jamais tocou nesse assunto comigo, mesmo quando eu estava em Portugal [Bornhausen foi embaixador naquele país de 1996 a 1998]", disse.

    Segundo Bornhausen, a relação dele com Mirian sempre foi a de político e repórter. Ele a conhece desde o período em que era governador em Santa Catarina e ela, repórter em Florianópolis. Voltou a revê-la, disse, já como jornalista em Brasília e ele, senador.

    Em Portugal, Bornhausen diz ter sido entrevistado por Mirian, como repórter da TV Globo, assim que chegou ao país, para assumir a função de embaixador.

    Na entrevista à Folha, Mirian disse ter contado com o apoio de Bornhausen. O ex-senador nega. "Embora tenha sido um relacionamento sempre muito amistoso, ela nunca me pediu nada, nenhum tipo de favor".

    Ele diz não ser sócio da Brasif, "infelizmente", e que nunca fez nenhum pedido à empresa para realizar qualquer pagamento para Mirian. "E também não acho que o Fernando Henrique fez algum pedido".

    Figura eminente no antigo PFL, Bornhausen chegou a ser filiado ao PSD e hoje não está ligado a nenhum partido –"graças a Deus", completou.

    Aos 78 anos, coordena um centro de estudos da Associação Comercial de São Paulo, integra conselho de diversas empresas e também do Fórum Estratégico da Federação das Indústrias de Santa Catarina e do Conselho de Estudos Superiores da Fiesp.

    Mirian e FHC

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021