• Poder

    Thursday, 30-May-2024 10:00:21 -03

    o impeachment

    PMDB tenta fechar apoio integral a impeachment, mas ala ainda resiste

    DÉBORA ÁLVARES
    DE BRASÍLIA

    13/04/2016 13h06

    Fernando Bizerra Jr/Efe
    BRA500. BRASILIA (BRASIL), 17/02/2016.- El diputado Leonardo Picciani, candidato a jefe de PMDB, asiste a una votación en la sede de la Cámara de Diputados en Brasilia hoy, miércoles 17 de febrero de 2016. El Partido del Movimiento Democrático Brasileño elige hoy a su nuevo jefe en la Cámara Baja, en unas votaciones internas que pueden ser decisivas para el trámite de un posible juicio político contra la mandataria Dilma Rousseff. EFE/Fernando Bizerra Jr ORG XMIT: BRA500
    O deputado Leonardo Picciani, líder da ala que defende a permanência de Dilma

    A ala peemedebista favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, que é majoritária, vai tentar até domingo (17), quando o processo contra a petista será votado no plenário da Câmara, convencer o restante da bancada por uma unidade de posicionamento.

    Em reunião na residência oficial do vice-presidente da República, Michel Temer, na noite de terça-feira (12), que contou com a presença inclusive do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), aliado do governo, deputados discutiram o melhor caminho a adotar.

    O partido vai orientar o voto favorável ao impeachment, mas respeitar casos isolados, avaliando um a um se haverá ou não punição. Houve quem defendesse o fechamento de questão, com expulsão dos votos a favor de Dilma. Contudo, a posição mais amena acabou adotada em reunião de Jorge Picciani (RJ) com o vice-presidente, Michel Temer, no início da semana.

    A ala que defende o afastamento de Dilma estima que, da bancada de 68 deputados do PMDB, no máximo 10 votem pela manutenção da petista na Presidência. Essa conta incluí ministros do partido que devem se licenciar dos cargos para exercer o direito de voto.

    A princípio, embora esteja sob forte pressão, Picciani deve manter seu voto favorável à manutenção da petista no governo. O líder vai reunir a bancada nesta quinta (14) e votar o posicionamento. Ele quer um placar para justificar a orientação que dará pela saída de Dilma em plenário.

    Em discurso durante o processo de votação, que se inicia sexta (15), Picciani vai anunciar a posição da bancada e orientar voto favorável ao impeachment. Deve reiterar, contudo, seu posicionamento pessoal favorável ao governo. Com a tendência de não fechamento de questão, o deputado pode ser um dos peemedebistas a votar com o governo.

    Na manhã desta quarta-feira (13), o deputado Newton Cardoso Júnior (MG), que ainda se mantinha indeciso, afirmou ser favorável ao impeachment. Segundo ele, há uma forte pressão na bancada mineira, que tem sete deputados, para que todos sigam o mesmo posicionamento.

    Isso inclui o ministro da (SAC) Secretaria de Aviação Civil, Mauro Lopes. "Vamos pressioná-lo para que ele não venha à Câmara votar. Os ministros que vão deixar seus cargos precisam vir exercer seu papel de deputado, não de governo aqui", afirmou Leonardo Quintão, também integrante da bancada mineira.

    Datafolha Congresso

    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024