• Poder

    Sunday, 25-Oct-2020 11:12:30 -03

    Agora ex-ministro, Alves se escondeu em banheiro de avião para escapar de gritos de 'golpista'

    DANIELA LIMA
    DE BRASÍLIA

    16/06/2016 20h21

    Eduardo Carmim - 24.set.15/Brazil Photo Press/Folhapress
    SÃO PAULO, SP, 24.09.2015 - FEIRA-TURISMO - O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves durante abertura da 43ª Abav - Expo Internacional de Turismo no Anhembi região norte de São Paulo, nesta quinta-feira, 24. (Foto: Eduardo Carmim/Brazil Photo Press/Folhapress) *** PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS ***
    Henrique Eduardo Alves, que pediu demissão do Ministério do Turismo nesta quinta (16)

    Numa reunião recente, o agora ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (Turismo) relatou ter optado por se esconder no banheiro de um avião para evitar os gritos de "golpista" de uma passageira ao vê-lo embarcar. A história foi usada pelo peemedebista como ilustração do que ele considera o alto preço cobrado dos políticos no cenário atual.

    Alves estava em Brasília e ia para a capital de seu Estado, o Rio Grande do Norte. A senhora, contou, estava cerca de duas cadeiras atrás. Ele tentou dialogar, perguntou se ela havia emprego ou algo do tipo, mas os ataques não cessaram. Pouco depois, ele avistou uma senadora do PT no mesmo voo.

    No desembarque, para evitar mais constrangimento, preferiu se trancar no banheiro e esperar que todos deixassem a aeronave. Antes de sair do aeroporto de Natal, teve que se refugiar no saguão. Seu motorista havia ligado para avisar que havia "petistas" do lado de fora.

    O relato de Alves, feito em tom humorado aos interlocutores, foi apenas mais um dos episódios dos quais o peemedebista vinha se queixando nos últimos tempos.

    A pessoas próximas, ele havia manifestado incômodo com as declarações de integrantes do próprio governo e de seu núcleo político a respeito do efeito "constrangedor" que citados na Lava Jato tinham sobre a gestão do presidente interino Michel Temer.

    O alvo do comentário, neste caso, era o colega Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil, que deu entrevistas sinalizando nessa direção após as duas primeiras baixas na equipe de Temer motivadas por citações na investigação.

    Alves foi o terceiro ministro a deixar o governo Temer –que acumula apenas 34 dias da gestão– após aparecer em delações premiadas da Lava Jato. Nos bastidores do Planalto, nesta quinta (16), minutos após a formalização de sua demissão, a aposta é de que ele não seria o último.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020