• Poder

    Friday, 03-Jul-2020 13:37:59 -03

    Cláudia Cruz usa condenação de Cunha para pedir sua absolvição

    WÁLTER NUNES
    DE SÃO PAULO

    16/05/2017 02h00

    Geraldo Bubniak/AGB/Folhapress
    Cláudia Cruz, esposa do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, após visita ao marido na carceragem da PF
    Cláudia Cruz, esposa do ex-deputado Eduardo Cunha, após visita ao marido na carceragem da PF

    Os advogados de Cláudia Cruz usaram trecho da sentença em que o juiz federal Sergio Moro condenou seu marido, o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como argumento para pedir a absolvição da cliente.

    Cláudia Cruz é acusada pelo Ministério Público Federal de lavagem de dinheiro e evasão de divisas em processo decorrente da Operação Lava Jato.

    Segundo os procuradores, ela se beneficiou de dinheiro de propina que Eduardo Cunha recebeu por negócios da Petrobras na África. O processo contra Cláudia Cruz também tramita na 13ª Vara Federal, em Curitiba, sob a responsabilidade de Sergio Moro.

    A defesa de Cláudia Cruz alega que ao justificar a condenação de Eduardo Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão, o juiz Sergio Moro reconheceu que ela não movimentou dinheiro de corrupção.

    Os advogados destacam um trecho da sentença, assinada em 30 de março passado, em que Moro diz que "[recursos usados por Cláudia Cruz] não foram provenientes de vantagem indevida decorrente do contrato de aquisição pela Petrobras dos direitos de exploração do Bloco 4 em Benin".

    Os valores da propina a Cunha teriam saído da compra, pela Petrobras, de 50% dos direitos de exploração de um campo de petróleo em Benin, na África, no valor de US$ 34,5 milhões. O negócio foi tocado pela diretoria internacional da estatal, cota do PMDB no esquema de corrupção. O suborno teria sido pago em contas no exterior.

    Segundo os advogados, Sergio Moro em sua sentença afirmou que o dinheiro da propina permaneceu em trusts no exterior, portanto não foi usado para pagar as despesas do cartão de crédito usado por Cláudia Cruz.

    Durante a investigação, os procuradores descobriram que ela fazia gastos elevados em cartões de crédito pagos por Cunha. A defesa sustenta que os recursos usados por Cunha para pagar as faturas desses cartões não estão sob suspeita.

    O ex-deputado está preso em Curitiba desde o dia 19 de outubro do anos passado. Ele ainda é réu em outros dois processos e alvo de mais cinco inquéritos.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2020