• Poder

    Sunday, 20-Jan-2019 07:21:51 -02

    Em fórum, MBL mira ampliação de bancada conservadora suprapartidária

    MARCOS AUGUSTO GONÇALVES
    DE SÃO PAULO

    12/11/2017 02h00

    "Alguém da mesa anterior esqueceu o celular aqui", avisou a jornalista Joice Hasselmann ao acomodar-se em seu assento para o painel que discutiria o papel da direita no Brasil pós-impeachment, uma das atrações do primeiro dia do Terceiro Congresso do Movimento Brasil Livre (MBL) -que aconteceu neste sábado num salão para cerca de 600 pessoas do World Trade Center, em São Paulo.

    "Se fosse alguém de esquerda já tinha roubado, mas a gente é do bem, a gente é de direita", completou a jornalista, que tem canal no YouTube e programa na rádio Jovem Pan. A plateia riu e aplaudiu.
    O MBL ganhou projeção ao se engajar na campanha pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), apresentando-se como um movimento de jovens de direita com ideias liberais em economia e anti-corrupção.

    Em clima de comemoração por alguns objetivos que o MBL se orgulha de ter ajudado a alcançar, como a reforma trabalhista e o fim do imposto sindical, o encontro serviu de fórum para o debate de temas como segurança, cidades e as estratégias para as eleições de 2018. Também falou-se da pauta moral incorporada pelo movimento -que recentemente se engajou em campanhas contra exposições de arte acusadas de incentivar a "pedofilia" ou a "zoofilia".

    No primeiro painel, as principais lideranças do movimento discutiram as perspectivas eleitorais. Para o coordenador Kim Kataguiri, o PSDB "perdeu a oportunidade de ter crescido como o maior partido do país" e deverá passar pro um processo de desagregação, com a provável perda de quadros -"o que vai ser bom, porque tem gente boa", avaliou.

    Kataguiri destacou a importância de formar uma bancada conservadora suprapartidária no Congresso. Ele mesmo é candidato a deputado federal, embora não tenha ainda definido por qual legenda se lançará.

    Quanto ao candidato à Presidência, a cúpula do movimento ainda se declara indefinida. A tendência é esperar até o primeiro trimestre do ano que vem, quando o quadro possivelmente estará mais definido.

    Artur do Val, um dos dirigentes do MBL, disse que há muitas afinidades com o pré-candidato Jair Bolsonaro. Citou a rejeição à CLT, a ideia de uma lei anti-terrorista que enquadre o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e flexibilização do Estatuto do Desarmamento. Mas considerou difícil apoiar, por tratar-se de uma ideia não liberal, o protecionismo econômico nacionalista do qual Bolsonaro seria defensor.

    Renan Santos, outro diretor, elogiou as bancadas evangélica e ruralista, que teriam coragem de defender, respectivamente, uma educação sem ideologias de esquerda e a propriedade privada. Ele aproveitou para atacar o apresentador Luciano Huck, nome que vem sendo aventado como presidenciável. "Ele é de esquerda", afirmou.

    A Globo, emissora na qual Huck trabalha, e a "grande mídia" de uma maneira geral também foram alvo de crticas.

    No painel final, sobre gestão de cidades, o prefeito de São Paulo, João Doria, com quem o MBL também flerta, discursou em clima de campanha. Defendeu programas de sua administração, com destaque para a área de saúde e privatizações. Aplaudido, declarou que no plano federal é favorável à privatização da Petrobras e dos Correios.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2019