• Serafina

    Sunday, 09-Dec-2018 19:22:56 -02

    Disco "Sei" é novo capítulo da autobiografia de Nando Reis

    MARCUS PRETO
    DE SÃO PAULO

    28/10/2012 03h00

    Cada novo álbum de Nando Reis é um capítulo de sua autobiografia. Ele nunca escreve em terceira pessoa. A vida do outro pouco interessa. Ou melhor: interessa muito, mas só depois de já processada pela vida dele. Amor, separação, sexo com homem, com mulher, o pai, a mãe, os filhos. Todo mundo é personagem de suas canções, mas ele é o protagonista. Sempre.

    Entrevistar o cantor sobre um novo trabalho, portanto, é esmiuçar as questões já expostas nas letras do conjunto de canções que ele traz. Nesse sentido, "Sei", o disco que ele lança agora, é um dos capítulos mais ricos que o compositor já nos ofereceu. Verborrágicas, suas 15 faixas jorram informações sobre amores que foram e voltaram, relações familiares, pai, mãe, filhos.

    O disco é dedicado a Vânia, "meu amor", com quem foi casado, teve quatro de seus cinco filhos, separou e agora volta a namorar. E uma das canções centrais de "Sei" se chama "Back in Vânia" –menção a "Back in Bahia", que Gilberto Gil compôs assim que voltou do exílio, em 1972. O fim de um exílio familiar fez brotar um disco alegre, ou quase isso.

    "Tenho cinco filhos, fiz uma família/ Trouxe de Saturno um anel de leão/ Onde, hoje, moram minha mãe Cecília, Cássia e Marcelo?/ Dentro do meu coração", diz uma estrofe de "Back in Vânia".

    Cássia é Cássia Eller (1962-2001), uma das cantoras mais talentosas do país –mas que só encontrou seu caminho depois do encontro com Nando. Até que ele a dirigisse em "Com Você... Meu Mundo Seria Completo" (1999), nenhum de seus discos fizera jus à artista que ela foi. Quando ela morreu, Nando herdou seus fãs. O teor do discurso dos dois era mais ou menos o mesmo, afinal.

    Marcelo é Marcelo Fromer (1961-2001), ex-companheiro de Titãs. Nando deixou a banda meses depois da morte dele. E nada de relevante aconteceu com o grupo depois da saída de Nando, em 2002. Talvez inconscientemente, os membros remanescentes parecem concordar com isso. Ou será por acaso que o ótimo "Titãs - A Vida Até Parece uma Festa" (2009), documentário sobre a banda codirigido por Branco Mello, termina assim que Nando sai da história?

    AMORES EXPRESSOS

    Em 2003, lançou "A Letra A", seu melhor trabalho até hoje e um dos grandes álbuns da década passada. E também o mais triste. Ali, terminava a relação com Vânia e abria a porta para Anna Butler (a letra A do título), com quem namorou em seguida. E, nisso, "Sei" é o oposto complementar de "A Letra A".

    Entre um e outro, houve dois álbuns de estúdio, diretamente amarrados a duas outras histórias de amor. "Sim e Não" (2006) é sua reação ao romance com Nani, com quem teve o quinto filho, Ismael, e para quem compôs "N". A sopa de letrinhas segue com "Drês" (2009), cuja musa foi a namorada seguinte, a publicitária Adriana Lotaif. Anterior a todos esses, "12 de Janeiro" (1995), seu primeiro trabalho solo (quando ainda era dos Titãs), foi inspirado por outra de suas mulheres, Marisa Monte.

    Daniel Klajmic
    Cada novo álbum de Nando Reis (foto) é um capítulo de sua autobiografia
    Cada novo álbum de Nando Reis (foto) é um capítulo de sua autobiografia

    Mas a autobiografia vai além do casamento da temporada. Em suas canções, Nando mergulha nos subterrâneos da própria inconsciência, na infância, nos caminhos complexos de sua sexualidade. "Eu sou um homem, você é uma mulher/ Você me come porque eu quero ser sua mulher/ E eu quero o homem que come essa mulher/ Será que você me entende?", pergunta em "Monoico", do álbum "Sim e Não".

    Será que você entende? Entender o significado das letras de Nando Reis importa pouco. Por canções herméticas como "Relicário", "Por Onde Andei" e "Cegos do Castelo", o compositor passou a frequentar, tão logo saiu dos Titãs, as listas de maiores arrecadadores de direitos autorais do país.

    Pérolas da música pop, foram (ainda são) cantadas de cor por plateias de centenas, milhares de pessoas. Que, quase sempre, não fazem ideia do peso que há por trás daquelas palavras.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018